Cash Express quer reforçar rede no Algarve a partir do êxito de Portimão

A primeira loja desta rede em Portugal, aberta em Portimão, apresenta um crescimento significativo com uma faturação na ordem de um milhão de euros.

A Cash Express, rede francesa de venda de produtos não alimentares em segunda mão, vai iniciar o processo de expansão das suas lojas com abertura de mais lojas no Algarve.

Para Christophe José, ‘master franchising’ em Portugal da Cash Express, “a marca tem um potencial de crescimento e de expansão bastante forte, já que o país está a dar os primeiros passos no mercado de produtos de segunda mão, comparativamente com o resto da Europa que já apresenta um ciclo de maturidade muito superior nesta área de negócio”.

A primeira loja em Portugal, aberta em Portimão, apresenta um crescimento significativo com uma faturação na ordem de um milhão de euros, revelando, assim, que esta área de negócio é sólido e tem viabilidade na sua continuidade.

A Cash Express diz que já fatura mais de um milhão e meio de euros em Portugal.

Segundo um comunicado da empresa, “em Portugal, já passaram mais de 50 mil clientes, foram comprados para venda em segunda mão cerca de 500 mil artigos e já foram vendidos cerca de 300 mil produtos”.

“Os resultados financeiros permitem-nos concluir que é possível avançar com um plano de expansão em outras cidades do país. As pessoas aderem a este mercado, conseguindo valorizar a oferta e a procura. Este é claramente um caminho a seguir para estes produtos. É a lei da oferta e da procura, existe pessoas que querem vender e outras que querem comprar, no entanto o selo de confiança é a nossa marca e a nossa garantia”, conclui Christophe José.

Os responsáveis da rede Cash Express realçam a forte aposta no que diz respeito à preservação ambiental e que se traduz no conceito “vender, comprar, é reciclar”, garantindo “uma preocupação inerente de reduzir o impacto que os produtos têm no meio ambiente”.

Para Christophe José “ao comprar um produto usado, os clientes da Cash Express economizam entre 30% e 50% no novo preço; enquanto isso estão a tomar uma decisão ecológica, é um ‘Eco’ reflexo”.

A Cash Express é um conceito em regime de ‘franchising’ com mais de 125 lojas distribuídas pela Bélgica, Portugal e França.

Teve o seu início em França em 2002 por 12 empresários que, em conjunto, definiram este conceito de loja de compra e venda de artigos em segunda mão.

“Através da marca Cash Express pretende-se passar confiança a quem vende e a quem compra os artigos, pelo facto de haver um local físico onde comprar e vender e por este oferecer garantia ao produto já usado. Em Portugal tem duas lojas, uma em Portimão e outra em Coimbra”, destaca o comunicado da empresa.

A rede de lojas da cash Express passou de 26 para 70 lojas entre 2004 e 2009.

A primeira unidade em Portugal foi aberta em Portimão, em 2014, seguindo-se a loja de Coimbra, em 2017.

O esquema de funcionamento desta rede de produtos em segunda mão, passa pela apresentação dos mesmos, que o cliente deseja vender, numa loja Cash Express, onde um especialista irá testar e avaliar o produto.

Após definição da qualidade é estabelecido um valor para a recompra dos artigos em questão. O valor que ficar acordado será pago em dinheiro. Para quem compra os artigos, tem a garantia de um ano.

Ler mais
Recomendadas

CTT investem 40 milhões de euros para modernizar distribuição do correio

Os CTT explica que o PMI estará em curso nos próximos dois anos e que ”vão reforçar a automatização da separação de correio, melhorar as condições de trabalho, reforçar a qualidade e modernizar a infraestrutura da rede de distribuição”

Fecho de estações dos CTT será “uma razia” no interior

“Estamos a falar do encerramento de todas as estações que não têm banco CTT e, em distritos com mais de vinte concelhos, ficam duas ou três estações. É destes números que estamos a falar, dessa razia por todo o território”, defendeu o dirigente bloquista Carlos Couto.

eBay acusa Amazon de recrutar vendedores para concorrente

“Descobrimos um esquema ilegal e preocupante por parte da Amazon, que pede aos vendedores do eBay para migrarem para a plataforma da Amazon”, afirmou a empresa,
Comentários