Catalunha. Independência leva 2,1 mil milhões em impostos

No total, as 40 empresas que anunciaram mudar a sua sede social para fora da Catalunha valem 2,1 mil milhões de euros em impostos. Que já não entrarão nos cofres da Generalitat, caso a Catalunha leve adiante o sonho independentista.

Juan Medina/Reuters

Na terça-feira, o discurso de Carles Puigdemont tocou novamente o tema da espoliação fiscal que Espanha impõe à Catalunha, citando os 16 mil milhões de euros que o Governo central supostamente “rouba” todos os anos aos cofres da Generalitat, um cálculo que, diz o El Confidencial, está à margem da realidade. Citando os mais recentes dados do Ministério da Fazenda espanhol, o jornal afirma que a balança fiscal da Catalunha não vai além dos 10 mil milhões de euros.

Este alegado roubo levou a que a Generalitat tenha começado a pressionar as empresas com sede na Catalunha a pagar os seus impostos à Agência Tributária Catalã, o que assustou ainda mais as empresas com sede na região, que aproveitam a mudança da sua sede para alterar o seu domicílio fiscal.

Assim, não só escapam às pressões do Governo catalão como, em caso de independência, deixarão fora dos cofres catalães um total de 2,1 mil milhões de euros, contando que mais nenhuma empresa deixa a região. Este valor não é, de todo insignificante, representando cerca de 10% do total de imposto de sociedade (o equivalente ao IRC português) coletado na região.

Além da problemática da coleta fiscal empresarial para a região – que só se coloca em caso de independência – esta fuga de empresas afeta diretamente o montante que a Generalitat arrecada com os impostos sobre atos jurídicos e documentados – similar ao Imposto de Selo – um imposto regional.

Relacionadas

Catalunha: impasse novamente do lado dos independentistas

Mariano Rajoy quer saber se, no meio do discurso pouco claro, Carles Puigdemont proclamou ou não a independência. Se sim, o artigo 155 avança de imediato. Com o acordo do PSOE.

A Catalunha declarou a independência? Rajoy dá cinco dias a Puigdemont para clarificar posição

Caso a resposta seja positiva, o líder do Governo espanhol vai dar mais um prazo (desta vez de três dias) para voltar atrás na decisão e evitar a aplicação do artigo 155.

Catalunha: Declaração de Puigdemont foi um “passo ao lado”, defende António Vitorino

Essa oportunidade depende, defendeu, de que ambas as partes estejam dispostas “a uma iniciativa que dificilmente vai ser tomada por um lado ou pelo outro”.

Catalunha: PSOE diz que acordou com Governo uma reforma constitucional dentro de 6 meses

O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, afirmou hoje que acordou com o presidente do Governo uma reforma constitucional dentro de seis meses, quando esteja finalizada a comissão parlamentar que estuda a modificação do sistema territorial.

Governo português apela à preservação da unidade em Espanha

O Executivo de António Costa sublinha, em comunicado, a importância do “diálogo político” para assegurar a “ordem constitucional de Espanha”, bem como “os direitos, liberdades e garantias dos seus cidadãos”.
Recomendadas

Hong Kong inaugura nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China

Hong Kong inaugurou este sábado uma nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China, que irá reduzir consideravelmente o tempo de viagem entre os dois territórios, sendo que parte da estação fica sob jurisdição chinesa.

Taxistas reagem com irritação a reunião com o PSD

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, afirmou aos presentes na Praça dos Restauradores, em Lisboa, que “foi irritante” a forma como foram recebidos pelo PSD na Assembleia da República.

Armador PCI implementa nova rota comercial em Cabo Verde

A PCI operará um navio com capacidade de transporte de 887 Teus nominais, com uma frequência de 14 dias, realizando ligações entre Algeciras e Tanger Med com destino a Cabo Verde, em 4 dias.
Comentários