Catarina Martins diz que BE não teve “posição intransigente” nas negociações sobre o OE2021

A coordenadora do Bloco de Esquerda vincou que o partido vai apresentar as medidas “por que tem vem lutando” em sede de debate do Orçamento do Estado na especialidade.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, realçou esta segunda-feira que o partido não foi “intransigente” durante as negociações com o Governo para o Orçamento do Estado 2021 e vincou que vai apresentar as mesmas medidas “por que vem lutando” em sede de debate na especialidade.

Catarina Martins, em entrevista à TVI, afastou a ideia de alterar o sentido de voto do BE contra a proposta do OE2021, na generalidade, se outros partidos e deputados de esquerda, que se vão abster — viabilizando a proposta do Executivo —, se alterassem.

“A clareza sobre o que pensamos do Orçamento é muito importante e é por isso que o BE não se pode comprometer com um Orçamento que faz com que o SNS para o ano esteja mais frágil e que haja menos protecção social quando o país precisa de mais”, disse a coordenara do partido.

Catarina Martins vincou que, no debate na especialidade, o BE “vai apresentar as medidas por que vem lutando até agora: para que quem perdeu tudo com a crise tenha apoio, para que o SNS funcione, para que se responda ao país”.

Durante as negociações com o Governo sobre a proposta de OE2021, a líder bloquista defendeu que “o BE não teve uma posição intransigente” e explicou por que motivos não se pode comprometer com a proposta do Executivo, apresentada pelo ministro das Finanças, João Leão.

Além das divergências a nível da saúde que separam o Executivo do BE, Catarina Martins diz que não “se compreende que o PS não aceite medidas tão pequenas e fundamentais como acabar com o despedimento barato, que tem sido a desgraça de tantos trabalhadores, quando o próprio PS era contra esta medida quando foi aprovada no tempo da troika. Sabe qual é o impacto orçamental desta medida? Zero”.

Outra divergência que separa o Governo do BE prende-se com a possibilidade de as empresas que se encontram com apoios de Estado não poderem fazer despedimentos, o que foi uma iniciativa do BE.

O Governo aproximou-se da pretensão dos bloquistas. Mas, no entender de Catarina Martins, não o suficiente, ao ponto de ter referido esta noite que “o  Governo não aceitou que as empresas que têm apoio do Estado não podem despedir”.

E explicou. “Por duas razões: as limitações ao despedimento são em tipos de apoio muito específicos — ou seja, lay off e similares ou acesso a crédito — e, por outro lado, mesmo nas empresas em que há essa limitação, só protege uma parte dos trabalhadores, os precários não tem nenhum tipo de protecção”.

Ler mais
Relacionadas

Bloco de Esquerda anuncia que votará contra o Orçamento do Estado para 2021

Os bloquistas justificam a decisão com a falta de medidas previstas no documento para fazer frente à crise sanitária, que exigirá um SNS reforçado e dotado de meios técnicos e humanos, anunciou a líder do partido.

Voto contra o OE2021: Governo tentou demover Bloco até ao último momento

Numa nota enviada aos bloquistas, o Executivo refutou a ideia da execução aquém do previsto do orçamento suplementar e das verbas previstas para o próximo ano. Mas não foi suficiente e a líder do Bloco de Esquerda anunciou o voto contra na votação de quarta-feira.

Governo: “A posição do Bloco de Esquerda é de quem sai do processo de negociação”

Duarte Cordeiro reagiu ao anúncio dos bloquistas de que vão votar contra na generalidade da proposta do OE2021. “Incompreensível” foi a palavra mais repetida pelo Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, que considera que os bloquistas se retiraram do processo de negociação.
Recomendadas

Rui Rio considera que fundos europeus devem ser investidos “sem dúvida” nas empresas

Num painel sobre “o futuro de Portugal”, o líder social-democrata referiu que é preciso “reindustrializar a economia” nacional e que só depois é que se dever olhar para o investimento público, ao contrário do que tem feito o Governo.

Elisa Ferreira considera que “digitalização e conetividade” podem tornar a Europa mais coesa

A comissária portuguesa acredita que a tecnologia veio esbater as barreiras territoriais do sucesso dos cidadãos na União Europeia e tornar as fronteiras “menos determinantes” no seu futuro.

Maior ameaça à democracia é “deixarmos de acreditar que funciona”, diz comissária europeia

A comissária com a pasta dos Valores e Transparência, Věra Jourová, considera que os democratas têm de fazer “mais esforço” para travar o crescimento dos movimentos antidemocráticos e “convencer as pessoas de que a democracia funciona”.
Comentários