Católica mantém crescimento do PIB de 2,1% em 2019 mas revê em baixa 2020 e 2021

Para o terceiro trimestre do ano, os economistas da Católica estimam um crescimento da economia de 0,5% em cadeia e de 2,1% em termos homólogos.

O núcleo de economistas da Universidade Católica manteve hoje a estimativa de crescimento da economia portuguesa para 2019 nos 2,1% do PIB, mas alertando para “riscos predominantemente descendentes”, e reviu em baixa a previsão para 2020 e 2021.

De acordo com o Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP) da Católica, “o desempenho da economia portuguesa em 2019 dependerá da evolução do investimento e da procura externa” e nesse sentido “os dados mais recentes do comércio mundial desaconselham uma leitura confiante”.

“Neste contexto, o NECEP mantém, ainda assim, a sua projeção anterior de um cenário central de crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] de 2,1% em 2019”, lê-se na folha trimestral de conjuntura relativa ao terceiro trimestre de 2019.

Os economistas sublinham que a estimativa para 2019 “encerra riscos predominantemente descendentes face à intensificação dos fatores de incerteza, nomeadamente, ao nível da economia da zona euro onde o terceiro trimestre poderá ter sido bastante fraco, com um crescimento em cadeia de apenas 0,1%”.

A manutenção da estimativa de um crescimento da economia de 2,1% assenta, por um lado, na revisão em alta do Instituto Nacional de Estatística (INE) devido à atualização da base das contas nacionais e, por outro, à “relativa estabilidade do crescimento em cadeia observada nos últimos trimestres”, diz o NECEP.

Para o terceiro trimestre do ano, os economistas estimam um crescimento da economia de 0,5% em cadeia e de 2,1% em termos homólogos, “sem alteração significativa face aos níveis de crescimento do trimestre anterior (0,6% e 1,9%, respetivamente)”.

“Com efeito, a generalidade dos indicadores de alta frequência aponta no sentido da estabilização do crescimento face ao segundo trimestre do ano. Para já, a manutenção dos indicadores em patamares absolutos acima da média histórica permite concluir que a recuperação da economia, iniciada em 2013, continua em curso”, avançam os economistas.

O NECEP estima ainda que, no terceiro trimestre do ano, a taxa de desemprego terá descido de 6,3% para 6,1%.

Para os anos seguintes, o NECEP defende que a revisão dos dados do INE, a fragilidade da economia da zona euro e a debilidade do comércio internacional “justificam uma maior prudência no cenário central da previsão de crescimento para 2020”, apontando para uma recuperação de 1,9%, contra os anteriores 2,1%.

“Os fatores de incerteza justificam um intervalo de projeção alargado, agora situado entre 1,2% e 2,6%”, acrescentam os economistas.

Já para 2021, o NECEP avança com uma “substantiva revisão em baixa” em menos 0,4 pontos percentuais, estimando agora um crescimento de 1,7% do PIB.

“A incerteza é muito significativa neste âmbito como resultado, em larga medida, do ambiente preocupante que rodeia a economia mundial na atualidade”, lê-se no documento.

Os economistas apontam ainda “alguma incerteza adicional associada ao comportamento do Governo no período pós-eleitoral”.

“Se, por um lado, os resultados eleitorais das legislativas de 06 de outubro reforçaram o peso do Partido Socialista (PS), o principal partido do Governo, no Parlamento, por outro lado, os riscos políticos parecem ter aumentado já que não se vislumbra, ainda, qual a solução política governativa, nem quando será conhecida”, realça o NECEP.

O Governo estimou em abril, no Programa de Estabilidade, um crescimento do PIB de 1,9% para 2019 e 2020 e de 2% para 2021.

Ler mais
Recomendadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, o peso da relação económica e geopolítica continua a pesar mais.

Novos sinais de trânsito chegam às estradas portuguesas em abril de 2020

Alterações ao regulamento de sinalização de trânsito, hoje publicadas em Diário da República, indicam que a partir de 1 de abril de 2020 não podem ser colocados sinais novos que não estejam de acordo com as normas agora aprovadas.

Redução do malparado poderia aumentar PIB per capita em 12 pontos percentuais em dez anos

Estudo estima que alterações ao nível da qualidade da regulação também permitiriam que Portugal tivesse um maior crescimento económico, de mais de sete p.p. em dez anos, enquanto alterações no sistema legal e combate à corrupção poderiam contribuir para um aumento de mais de três p.p. do PIB per capita ao fim de dez anos.
Comentários