PremiumCatroga: “Espuma mediática ilude e disfarça” responsabilidades na venda do Novo Banco

Polémica sobre venda de ativos do Novo Banco serve para “iludir e disfarçar eventuais responsabilidades” do Governo, BdP e Comissão Europeia, diz Eduardo Catroga. Mas em 2017 talvez não existisse alternativa, admite.

Eduardo Catroga considera positivo o plano apresentado por António Costa Silva para a recuperação da economia, mas alerta que lhe falta um diagnóstico de problemas como a falta de competitividade da economia.

Como vê a polémica em torno da venda de ativos do Novo Banco? Justifica-se o pedido para o Ministério Público investigar estas transações? Ou trata-se simplesmente de o Lone Star utilizar em seu benefício, de forma legal, o enquadramento que foi criado aquando da venda do banco?
Penso que há que utilizar os mecanismos contratuais e legais para garantir a transparência de todo o processo. Logo, as análises técnicas e auditorias podem contribuir para esse desiderato e concluir. Agora vejo muita espuma mediática para iludir a perceção das pessoas e comentadores e provocada por forma a disfarçar eventuais responsabilidades do modelo da decisão tomada pelo Governo e Banco de Portugal e negociada com a Comissão Europeia em outubro de 2017 – então talvez a negociação possível -, mas que os desenvolvimentos posteriores da atual crise do Covid-19 evidenciam consequências negativas face as expectativas vendidas à opinião pública em outubro de 2017.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Sindicatos querem suspensão das rescisões por mútuo acordo no Santander

Mais Sindicato e o Sindicato dos Bancários do Centro já entraram em contacto com o Santander para apelar que o banco suspenda o processo de rescisões por mútuo acordo que tem em curso.

Cobertura de necessidades de liquidez urgentes justificaram forte aumento da procura de crédito com garantia pública

A procura de empréstimos com garantia pública registou fortes aumentos no primeiro semestre de 2020, em Portugal e na área do euro, e novamente no segundo semestre de 2020 em Portugal. Pelo contrário, a procura por crédito não garantido reduziu-se em ambos os semestres em Portugal.

CMVM avisa que bancos podem ficar pressionados para cumprir os rácios de capital em 2021

A Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM) considera, no seu relatório de riscos para 2021, que os bancos podem ficar pressionados a cumprir os rácios de capital devido à pressão das moratórias associadas à Covid-19.
Comentários