Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Cristina Bernardo

O antigo presidente da República Cavaco Silva voltou a lamentar as “interpretações abusivas” com “intuito pouco honesto” acerca das declarações sobre o BES em 2014, numa resposta à comissão de inquérito ao Novo Banco consultada pela Lusa.

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Cavaco Silva respondeu à comissão de inquérito ao Novo Banco recorrendo a transcrições do seu livro “Quinta-feira e Outros Dias” e recordando que o chefe de Estado não “exerce qualquer função” no sistema financeiro.

Sobre a exposição do GES ao BES, o antigo chefe de Estado disse ter respondido aos jornalistas em Seul acerca do banco com um nível de preocupações menor ao que tinha anteriormente, dado o esclarecimento do Banco de Portugal (BdP) “em que afirmava não existirem motivos que comprometessem a segurança dos fundos confiados ao BES, pelo que os depositantes podiam estar tranquilos”.

Segundo o BdP, o BES detinha “um montante de capital suficiente para acomodar eventuais impactos negativos decorrentes da exposição assumida perante o ramo não financeiro do Grupo Espírito Santo”, refere o antigo chefe de Estado na sua publicação.

Aos jornalistas, Cavaco Silva afirmou à data que de acordo com a informação que tinha, o Banco de Portugal estava a “atuar muito bem para preservar a estabilidade e solidez” do sistema bancário português, dizendo também não se poder “ignorar que algum efeito pode vir para a economia real, por exemplo, daqueles que fizeram aplicações em partes internacionais do grupo”.

“Foi uma resposta cuidadosa, de caráter eminentemente político, de quem não tem poder executivo nem exerce qualquer função de âmbito financeiro”, feita “no contexto de contactos com investidores internacionais e na presença da imprensa estrangeira”, com o objetivo de não criar “alarmismos sobre o sistema financeiro português e defender o superior interesse nacional”.

Sobre a resolução, Cavaco Silva disse ter ficado “muitíssimo preocupado” e sem conseguir “antecipar todos os efeitos negativos de uma medida de resolução”, receando “os efeitos sobre a estabilidade do sistema financeiro português e sobre a recuperação económica, os custos para os contribuintes, os custos sociais para os pequenos acionistas do BES e para os portadores de papel comercial”.

O PS requereu, em 25 de março, os depoimentos por escrito do antigo Presidente da República Cavaco Silva, dos ex-primeiros-ministros Durão Barroso e Passos Coelho e a audição presencial do ex-comissário europeu Carlos Moedas na comissão de inquérito do Novo Banco, inquirição esta que já aconteceu.

O anúncio foi feito no parlamento pelo coordenador do PS nesta comissão de inquérito, João Paulo Correia, um dia depois da audição de José Honório, ex-administrador do BES e Novo Banco, que segundo o socialista revelou que o antigo presidente do BES Ricardo Salgado entregou, em 2014, um memorando a cada uma das autoridades políticas em que dava conta do “buraco gigante em que estava enfiado o GES”.

Para o PS, há responsabilidades que “não estão suficientemente esclarecidas por parte destas autoridades políticas”.

Ler mais
Recomendadas

Centeno diz que restrições do Novo Banco não são compatíveis com calendário de venda do EuroBic

“Neste momento o Novo Banco não tem condições para fazer aquisições” disse Mário Centeno, lembrando que “no futuro, o banco tem de demonstrar que tem capacidade [em termos de capital] para fazer aquisições”.

Injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco excluindo todos os litígios é de 429,3 milhões

A dedução relativa à sucursal de Espanha é apenas de 147 milhões uma vez que houve um ligeiro efeito de libertação de RWA. O valor total das reduções aos 598 milhões de euros pedidos pelo Novo Banco é de 169 milhões de euros, apurou o Jornal Económico.

Centeno: “Só em 2015 o Fundo de Resolução entrou para o perímetro das administrações públicas”

“A questão sobre o impacto para os contribuintes tem a mesma interpretação hoje que tinha em 2017”, disse o ex-ministro das Finanças.
Comentários