Cavaco Silva: “A não recondução” de Joana Marques Vidal “é algo estranhíssimo”

“Eu sou levado a pensar que esta decisão política de não recondução de Joana Marques Vidal é talvez a mais estranha tomada no mandato do Governo que geralmente é conhecido como geringonça”, disse Cavaco Silva à margem do congresso da Associação Portuguesa para o desenvolvimento das Comunicações (APDC), onde foi agraciado com o título de sócio honorário.

” A não recondução da Dra. Joana Marques Vidal é algo que eu considero muito estranho, estranhíssimo, tendo em atenção a forma competente como exerceu as suas funções e o seu contributo decisivo para a credibilização do Ministério Público”, disse o ex-Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, à margem do congresso da Associação Portuguesa para o desenvolvimento das Comunicações (APDC), onde foi agraciado com o título de sócio honorário.

“Eu sou levado a pensar que esta decisão política de não recondução de Joana Marques Vidal é talvez a mais estranha tomada no mandato do Governo que geralmente é conhecido como geringonça”, disse Cavaco Silva instado pelos jornalistas a comentar a nomeação de Lucília Gago para o lugar de Joana Marques Vidal  cujo mandato enquanto Procuradora-Geral da República termina a 12 de outubro.

Na semana passada Marcelo Rebelo de Sousa nomeou Lucília Gago com a nova procuradora-geral da República (PGR), de acordo com nota publicada no site da Presidência da República. O Presidente da República justifica a escolha com a defesa da “limitação de mandatos, em homenagem à vitalidade da Democracia, à afirmação da credibilidade das Instituições e à renovação de pessoas e estilos, ao serviço dos mesmos valores e princípios”. A nomeação do Procurador Geral da República é feita pelo Presidente por sugestão do Governo. O primeiro-ministro dirigiu a Marcelo a proposta do nome de Lucília Gago, numa carta que a Presidência tornou pública. Essa carta é um resumo das razões que levaram António Costa a propor o nome daquela magistrada do Ministério Público.

Na 28.ª edição do Digital Business Congress decorre hoje e na quinta-feira no Centro Cultural de Belém, em Lisboa foram atribuídos os títulos de sócio honorário da APDC ao ex Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, à antiga presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), Fátima Barros, e a Nuno Vidal, da associação.

Recomendadas

Jerónimo de Sousa: “Caiu por terra a teoria de que estamos todos no mesmo barco”

O secretário-geral do PCP diz que “a ilusão de que vai tudo ficar bem” “caiu por terra” com a pandemia e o encerramento de unidades educativas e critica “a medida do Governo de levar os estudantes do ensino profissional a terem de realizar uma autêntica volta pelo país para fazerem exames para os quais não foram preparados, para concorrer a meia dúzia de vagas”.

Bloco de Esquerda rejeita existência de “paraministros”

O partido diz que só negoceia com membros do Governo, depois de vir a público que o gestor da petrolífera Partex António Costa Silva “tornou-se uma espécie de ‘paraministro’”.

PremiumPS quer adiar debate sobre financiamento partidário

Propostas de alteração à Lei de Financiamento dos Partidos já receberam parecer favorável, mas PS diz que debate não é prioritário. PSD lembra que autárquicas estão próximas e recusa atrasar processo.
Comentários