CDS abstém-se de estado de emergência e diz que Governo “está claramente em negação”

João Almeida afirmou que “só o estado de negação do Governo pode justificar” que se mantenha “um ministro da Administração Interna sem quaisquer condições para continuar em funções e uma ministra da Justiça igualmente para se manter em funções”.

joão_almeida_cds_pp
Cristina Bernardo

João Almeida, deputado do CDS, apontou que o partido vai votar contra estado de emergência e referiu que o Governo “está claramente em negação”, durante a reunião plenária esta quarta-feira, 6 de janeiro.

Sobre a renovação do regime, a que os centristas abstiveram-se, João Almeida sublinhou que “se o Estado está e o país está em emergência, o Governo está claramente em negação”.

“Só o estado de negação do Governo pode justificar que num estado de emergência, em absoluta exceção constitucional, se mantenham em funções um ministro da Administração interna sem quaisquer condições para continuar em funções e uma ministra da Justiça igualmente para se manter em funções”, frisou João Almeida.

Para o centrista, Eduardo Cabrita e Francisca Van Dunem continuarem no exercício de funções é algo “inadmissível em qualquer situação”. “Como é que um país democrático está em estado de emergência com este ministro da Administração Interna e com esta ministra da Justiça?”, questionou.

João Almeida sublinhou além de o primeiro-ministro não demitir os ministros, “reitera confiança em ministros que hé muito perderam a confiança do país”. “Isto é um abuso de autoridade do Governo”, considerou o deputado do CDS-PP que acredita que atualmente Portugal vive um “pântano institucional”.

O deputado do PS destacou ainda que esta “incompetência que não é de todo aceitável. Portanto, o CDS não passa cheques em branco para medidas para medidas de eficácia duvidosa e de prejuízo evidente”.

Ler mais
Relacionadas

CDS sobre Van Dunem. “A ministra só tem uma opção: apresentar imediatamente a sua demissão”

Para o centrista a nomeação de José Guerra para Procurador Europeu “é de tal modo degradante para o Estado de Direito Democrático, que fere a reputação e a credibilidade da presidência portuguesa da UE[União Europeia”.

CDS quer “saber antecipadamente as medidas que o Governo” pretende adotar para novo estado de emergência

“Verificamos descontrolo depois do Natal coisa que já podíamos ter antecipado dado que este Governo não foi específico nas orientações relativamente ao período do Natal”, sublinhou o líder centrista.
Recomendadas

Marcelo devolve ao Parlamento decreto sobre inseminação pós-morte

O chefe de Estado pede aos deputados que reconsiderem as disposições relativas ao direito sucessório e questiona a sua aplicação retroativa da inseminação artificial com sémen de um conjugue já falecido ou a transferência de um embrião para realizar um projeto parental.

PSD alerta para “lacunas” do Programa de Estabilidade sobre investimentos e medidas sociais

Os social-democratas entendem que o Programa de Estabilidade do Governo é “omisso” e “completamente cego” no que toca a apoios sociais e investimento público. Alertam ainda que “os riscos de não realização do Programa de Estabilidade 2021-2025 são excecionalmente elevados e importa garantir a sua mitigação”.

PremiumPartidos unem-se para criminalizar enriquecimento ilícito

Maioria no Parlamento quer criminalizar enriquecimento injustificado. PS e CDS-PP, que travaram medida anteriormente, vão apresentar propostas.
Comentários