CDS continua na estrada por Freitas do Amaral, mas suspendeu campanhas por Amália e irmã Lúcia

Aquando da liderança de Paulo Portas, o partido suspendeu as campanhas quando morreu a irmã Lúcia e Amália Rodrigues. Questionada pelos jornalistas sobre estes factos, Assunção Cristas lembrou a “forma sentida” com que interrompeu o almoço em Barcelos “para fazer um minuto de silêncio”.

O CDS não suspendeu a campanha eleitoral apesar da morte do fundador do partido, Freitas do Amaral, esta quinta-feira. O jornal “Público” relembra que o mesmo facto não aconteceu em outras ocasiões, como por exemplo, na morte da fadista Amália Rodrigues ou da irmã Lúcia.

Aquando da liderança de Paulo Portas, o partido suspendeu as campanhas quando morreu a irmã Lúcia e Amália Rodrigues. Questionada esta quinta-feira pelos jornalistas sobre estes factos, Assunção Cristas lembrou a “forma sentida” com que interrompeu o almoço em Barcelos “para fazer um minuto de silêncio”, realçando que como já é conhecida a data do funeral, no sábado, vai “analisar a agenda” de campanha.

Estas declarações foram feitas depois da visita à Escola Superior de Tecnologia e Gestão, em Viana do Castelo, que estava prevista na agenda de campanha do CDS.

Questionada sobre se o CDS fez as pazes com Freitas do Amaral, a líder do CDS referiu que “Freitas do Amaral desfiliou-se do CDS. Depois, quando partido fez 40 anos e houve algumas cerimónias, o professor Freitas do Amaral chegou a participar em alguns desses momentos, ou pelo menos num desses momentos. E, portanto, tinha uma reconciliação com o partido”.

Contudo, Assunção Cristas sublinhou que Freitas do Amaral “nunca se voltou a refiliar e são conhecidas as suas posições públicas, mais distantes do CDS”, realçando que neste momento o que “está em causa é uma homenagem a alguém que foi extremamente importante para fundação da nossa democracia”.

Relacionadas

Pinto Balsemão diz que Freitas do Amaral será lembrado pelo “importante contributo para a democracia”

O antigo líder da Aliança Democrática, Francisco Pinto Balsemão, lamentou esta quarta-feira a morte do fundador do CDS-PP Freitas do Amaral, recordando-o como um “jurista notável” e pelo “importante contributo para a democracia” em Portugal.

Freitas do Amaral: José Sócrates destaca “personagem singular” da democracia portuguesa

O antigo primeiro-ministro José Sócrates considerou esta quinta-feira que Freitas do Amaral, que foi seu ministro dos Negócios Estrangeiro, destacou-se como uma “personagem singular” da democracia portuguesa, com vasta cultura política e jurídica e defensor dos direitos individuais.

Comissão Europeia homenageia Freitas do Amaral: “Teve um papel decisivo na consolidação da democracia em Portugal”

Diogo Freitas do Amaral morreu esta quinta-feira aos 78 anos. O ainda presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, manifestou o pesar sobre a morte do fundador do CDS e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros.
Recomendadas

Partidos voltam a colocar fim das portagens nas ex-Scut na agenda

O Bloco de Esquerda (BE), Partido Comunista (PCP) e Chega apresentaram projetos de resolução que recomendam ao Governo que acabe com a cobrança, notando que, na maioria dos casos, “não há alternativa válidas” aos traçados com portagens e que tal impede a coesão territorial.

Greta Thunberg vai ao parlamento português entre final do mês e início de dezembro

Há uma semana, os deputados da comissão parlamentar de Ambiente aprovaram, por unanimidade, a proposta para a vinda da ativista sueca a Portugal.

CDS quer Ordem da Liberdade para quem participou no 25 de Novembro de 1975

O deputado centrista Telmo Correia propôs que o Governo “faça um levantamento das personalidades envolvidas no 25 de Novembro e que não tenham recebido a Ordem da Liberdade”, para que essa distinção lhes seja atribuída, sejam militares ou civis, “em vida ou até a título póstumo”.
Comentários