CDS continua na estrada por Freitas do Amaral, mas suspendeu campanhas por Amália e irmã Lúcia

Aquando da liderança de Paulo Portas, o partido suspendeu as campanhas quando morreu a irmã Lúcia e Amália Rodrigues. Questionada pelos jornalistas sobre estes factos, Assunção Cristas lembrou a “forma sentida” com que interrompeu o almoço em Barcelos “para fazer um minuto de silêncio”.

O CDS não suspendeu a campanha eleitoral apesar da morte do fundador do partido, Freitas do Amaral, esta quinta-feira. O jornal “Público” relembra que o mesmo facto não aconteceu em outras ocasiões, como por exemplo, na morte da fadista Amália Rodrigues ou da irmã Lúcia.

Aquando da liderança de Paulo Portas, o partido suspendeu as campanhas quando morreu a irmã Lúcia e Amália Rodrigues. Questionada esta quinta-feira pelos jornalistas sobre estes factos, Assunção Cristas lembrou a “forma sentida” com que interrompeu o almoço em Barcelos “para fazer um minuto de silêncio”, realçando que como já é conhecida a data do funeral, no sábado, vai “analisar a agenda” de campanha.

Estas declarações foram feitas depois da visita à Escola Superior de Tecnologia e Gestão, em Viana do Castelo, que estava prevista na agenda de campanha do CDS.

Questionada sobre se o CDS fez as pazes com Freitas do Amaral, a líder do CDS referiu que “Freitas do Amaral desfiliou-se do CDS. Depois, quando partido fez 40 anos e houve algumas cerimónias, o professor Freitas do Amaral chegou a participar em alguns desses momentos, ou pelo menos num desses momentos. E, portanto, tinha uma reconciliação com o partido”.

Contudo, Assunção Cristas sublinhou que Freitas do Amaral “nunca se voltou a refiliar e são conhecidas as suas posições públicas, mais distantes do CDS”, realçando que neste momento o que “está em causa é uma homenagem a alguém que foi extremamente importante para fundação da nossa democracia”.

Relacionadas

Pinto Balsemão diz que Freitas do Amaral será lembrado pelo “importante contributo para a democracia”

O antigo líder da Aliança Democrática, Francisco Pinto Balsemão, lamentou esta quarta-feira a morte do fundador do CDS-PP Freitas do Amaral, recordando-o como um “jurista notável” e pelo “importante contributo para a democracia” em Portugal.

Freitas do Amaral: José Sócrates destaca “personagem singular” da democracia portuguesa

O antigo primeiro-ministro José Sócrates considerou esta quinta-feira que Freitas do Amaral, que foi seu ministro dos Negócios Estrangeiro, destacou-se como uma “personagem singular” da democracia portuguesa, com vasta cultura política e jurídica e defensor dos direitos individuais.

Comissão Europeia homenageia Freitas do Amaral: “Teve um papel decisivo na consolidação da democracia em Portugal”

Diogo Freitas do Amaral morreu esta quinta-feira aos 78 anos. O ainda presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, manifestou o pesar sobre a morte do fundador do CDS e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros.
Recomendadas

Bloco de Esquerda propõe campanha para divulgar estatuto do cuidador informal

O deputado do Bloco de Esquerda José Soeiro lembrou “que existem 191 pedidos a nível nacional, num universo de 800 mil cuidadores informais, dos quais 250 mil são a tempo inteiro” e classificou a situação como “irrisória”

PSD apela à UE para encontrar “solução urgente” para ataques terroristas em Moçambique

“O Norte de Moçambique enfrenta, desde 2017, ações terroristas de extremismo violento de grupos jihadistas”, lembrou o partido social democrata.

Ministro do Mar torna-se o sexto membro do Governo a receber subsídio de alojamento

Ricardo Serrão Santos receberá cerca de 750 euros mensais, tal como já estava a acontecer com o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e os secretários de Estado Nuno Rodrigues e Pinheiro, Jorge Moreno Delgado, Antero Luís e José Mendes.
Comentários