PremiumCDS-PP disputado entre PS e PSD para continuidade ou ‘geringonça’ à direita nos Açores

Viabilizar o próximo governo na assembleia regional açoriana não vai ser fácil para PS ou PSD. Apoio centrista é crucial à esquerda ou à direita.

Os três deputados eleitos pelo CDS-PP nos Açores são, por estes dias, alvo de disputa entre o PS e PSD para formar governo na região autónoma. Após os resultados de domingo terem tirado a maioria absoluta ao PS, os socialistas estão a tentar fechar acordo para evitar a ‘geringonça’ de direita. Mas o PSD está também focado em dialogar “com todos” e conseguir um acordo que ponha fim a quase 25 anos de governação socialista na região.

A solução para garantir a maioria parlamentar desejada por PS e PSD deve passar pelo CDS-PP, que foi a terceira força política mais votada. Ao que o Jornal Económico (JE) apurou, o líder do CDS-PP/Açores, Artur Lima, esteve reunido esta semana com o presidente do PSD/Açores, José Manuel Bolieiro, e com o líder do PS/Açores, Vasco Cordeiro. Ouviu propostas para um entendimento que viabilize o novo governo regional e resta saber se haverá acordo à esquerda ou à direita.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumHossein Dehghan: O militar que pode vir a ser o próximo presidente do Irão

Não se sabe se será da linha dura ou um moderado – isto partindo-se do princípio, em que alguns não acreditam, que não há moderados no Irão. Seja como for, e num quadro em que a república islâmica está no centro de todas as agendas diplomáticas, o Ocidente ganhará em começar a aprender a dizer o seu nome.

PremiumFuturo da Casa Branca começa a tomar forma e o do mundo também

Apesar das críticas de que há demasiados nomes ligados a Barack Obama e de que falta ‘sangue novo’, a administração Biden arrisca-se a ser a mais diversa de sempre, o que é politicamente muito correto.

PremiumBruxelas recusa deixar cair Estado de direito no acesso à bazuca europeia

Apesar do veto da Hungria e Polónia, respeito pelo Estado de direito vai manter-se como pré-requisito para acesso ao pacote financeiro da UE. Bruxelas acena com recurso ao Tribunal de Justiça Europeu.
Comentários