CDS-PP quer “um verdadeiro controlo sanitário” e mais apoios às famílias e economia na nova fase do Estado de Emergência

O líder dos democratas-cristãos, Francisco Rodrigues dos Santos, pede a extensão do regime de lay-off a administradores e gerentes, mais apoios para os profissionais liberais e advogados e uma “testagem massificada” em todo o país.

O CDS-PP considera que, na nova fase do Estado de Emergência, o Governo deve focar-se em minimizar o impacto da crise na economia e rendimentos das famílias e proceder a “um verdadeiro controlo sanitário”. O líder dos democratas-cristãos, Francisco Rodrigues dos Santos, pede a extensão do regime de lay-off a administradores e gerentes, mais apoios para os profissionais liberais e advogados e uma “testagem massificada” em todo o país.

“O CDS-PP apoia a decisão de renovação do Estado de Emergência por considerar ser ainda bastante prematura afrouxar nas medidas musculadas que permitem exercer pressão sobre a curva dos contágios. Mas o prolongamento destas normas de emergência torna urgente minimizar o impacto das mesmas na economia e nos rendimentos das pessoas e reforça a necessidade de haver um verdadeiro controlo sanitário”, defende o presidente do CDS-PP, numa mensagem de vídeo enviada à comunicação social.

No plano económico, Francisco Rodrigues dos Santos recomenda que “os gerentes, administradores e empresas tenham acesso ao regime de lay-off simplificado”. Para isso, os rendimentos dos gerentes e administradores não devem ultrapassar o 4.º escalão do IRS (25 mil euros anuais brutos). Nesse caso, o CDS-PP propõe um apoio mensal que corresponda, no máximo, a duas vezes o valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS), ou seja, 877,62 euros.

Apoiar os profissionais liberais, o CDS-PP defende a criação de uma prestação social extraordinária, e “permitir aos advogados e solicitadores optar pela isenção da obrigatoriedade de pagar a contribuição à CPAS, enquanto durar o Estado de Emergência, sem penalizações na carreira contributiva”.

Francisco Rodrigues dos Santos quer ainda que “seja criada uma nova tabela de retenção na fonte, que permita ajustar o imposto pago pelos contribuintes àquilo que é efetivamente devido”, reduzindo assim o valor dos impostos “cobrados em excesso”. Esse ajuste deve, segundo o partido, ser ajustado já em abril, “fazendo coincidir o imposto devido a final com o pago antecipadamente”.

O CDS-PP considera ainda “fundamental” que haja “uma testagem massificada no país”, sobretudo nos lares de idosos, e que sejam reforçados os meios do setor social. Pede ainda que, para os profissionais de saúde, “sejam dados todos os equipamentos de proteção individual de que precisam”.

Ler mais
Recomendadas

“Salvar as empresas e preservar o emprego”. Conheça as prioridades de António Costa Silva para recuperar a economia

O gestor, atualmente presidente da Partex, a quem o Primeiro Ministro pediu o plano de recuperação diz que tem de se evitar que a economia “entre em estado de coma”. António Costa Silva diz que o Estado vai ter de ser interventivo e que o novo modelo económico tem de estar assente no investimento nas infraestruturas (físicas e digitiais) e na reconversão industrial.

Infografia | Nove em cada dez casos novos de Covid-19 foram na região de Lisboa e Vale do Tejo

O mapa mostra, concelho a concelho, a evolução dos casos da doença nas últimas 24 horas em Portugal. O país registou mais 257 novas confirmações de infeção por coronavírus. Segundo a ministra da saúde, a região de Lisboa e Vale do Tejo representou, em média, 85% dos novos casos nos últimos oito dias.

Governo assegura alternativa para moradores sem condições para isolamento

A criação de um plano de realojamento de emergência para as pessoas que vivam em habitações precárias e sobrelotadas foi anunciado pelo Governo na sexta-feira, após o Conselho de Ministros, que aprovou medidas para a terceira fase de desconfinamento no âmbito da covid-19.
Comentários