CDS quer Ordem da Liberdade para quem participou no 25 de Novembro de 1975

O deputado centrista Telmo Correia propôs que o Governo “faça um levantamento das personalidades envolvidas no 25 de Novembro e que não tenham recebido a Ordem da Liberdade”, para que essa distinção lhes seja atribuída, sejam militares ou civis, “em vida ou até a título póstumo”.

Cristina Bernardo

O CDS-PP propôs hoje que sejam homenageadas com a Ordem da Liberdade todas as personalidades envolvidas no 25 de Novembro de 1975 e que o parlamento passe a fazer anualmente uma sessão evocativa da data.

Em declarações à agência Lusa, o deputado centrista Telmo Correia propôs que o Governo “faça um levantamento das personalidades envolvidas no 25 de Novembro e que não tenham recebido a Ordem da Liberdade”, para que essa distinção lhes seja atribuída, sejam militares ou civis, “em vida ou até a título póstumo”.

“Todas as personalidades envolvidas” no movimento militar que pôs fim ao período revolucionário, em 1975, e opôs forças de esquerda, esquerda militar e os chamados “moderados”, devem receber essa distinção com a Ordem da Liberdade, acrescentou.

“É a ordem adequada para as homenagear”, justificou.

Além disso, o CDS, único partido a comemorar nos últimos anos o 25 de novembro, com um jantar, propõe igualmente que a Assembleia da República assinale a data com “uma sessão evocativa” da data que considera ser a data “consolidação da democracia”.

Não se trata de uma sessão solene, ao contrário do que acontece com o 25 de Abril, mas uma sessão que assinale a data que, nas palavras de Telmo Correia, representa “a consolidação da democracia portuguesa” no ano seguinte ao golpe dos capitães.

“O 25 de Novembro não foi um contra-25 de Abril. Antes pelo contrário, é o cumprimento do 25 de Abril, é o que garante cumprir a esperança que o 25 de Abril lançou de termos uma democracia pluralista, de tipo ocidental, com partidos democráticos, com liberdade de expressão. É uma data muito simbólica”, disse ainda.

O CDS vai, como habitualmente, propor na Assembleia da República um voto de saudação pelo 25 de novembro.

Questionado sobre se o CDS não está a seguir a agenda política do Chega, partido de extrema-direita que elegeu um deputado nas legislativas e propôs que o 25 de Novembro seja comemorado com uma sessão solene, Telmo Correia sublinhou que os centristas têm vindo a assinalar a data há anos.

“É um bocadinho difícil chegarmos à conclusão que estamos a ir atrás de um partido que durante todo este tempo não existia, mas também digo, com todo o à vontade, que se há um outro partido que defende que o 25 de novembro deve ser homenageado e deve ser uma data solene, só posso dizer bem-vindos, não tenho nada contra, antes pelo contrário”, afirmou.

Ler mais
Recomendadas

PSD quer audição urgente de Mário Centeno no Parlamento devido a alteração nas PPP

Deputados sociais-democratas da Comissão de Orçamento e Finanças querem ouvir ministro das Finanças por estarem preocupados com “diminuição da transparência” na constituição de parcerias público-privadas.

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.

Alterações climáticas: Lisboa ameaçada por cheias, seca, subida do nível do mar e calor excessivo

“A erosão continua, o calor excessivo aumenta, a seca meteorológica vai aumentar na zona de Setúbal e as cheias vão atacar o Tejo”, especialmente na região em que o Governo está a planear construir o aeroporto do Montijo, alerta especialista.
Comentários