CDU denuncia uso inapropriado de dinheiros públicos na Empresa de Eletricidade da Madeira

Edgar Silva afirma que “não é admissível que se tenha recorrido a avultado investimento público para tornar aquela ilha autónoma do ponto de vista energético, através de biocombustível, e, sem atender mais àquelas metas energéticas e sociais, se passe a produzir sabonetes”.

A CDU esteve esta terça-feira junto à Empresa de Eletricidade da Madeira onde denunciou o uso inapropriado de dinheiros públicos e políticas fraudulentas levadas a cabo pelo Governo Regional da Madeira e por esta empresa.

O coordenador regional da CDU, Edgar Silva, explicou que “não se pode, impunemente, direcionar milhões de euros para uma alternativa energética (no Porto Santo) e nada fazer nesse sentido”.

Edgar Silva afirma que “não é admissível que se tenha recorrido a avultado investimento público para tornar aquela ilha autónoma do ponto de vista energético, através de biocombustível, e, sem atender mais àquelas metas energéticas e sociais, se passe a produzir sabonetes”.

Para o coordenador da CDU-Madeira está em causa um processo fraudulento. Edgar Silva refere que à Empresa de Eletricidade são exigidas responsabilidade no setor energético “e não o investimento em produtos da área cosmética ou farmacêutica”.

Neste sentido, Edgar Silva sugere um inquérito independente às contas desta empresa.

Recomendadas

Virus: segundo hospital para infetados criado na China dentro de duas semanas

O hospital terá capacidade para 1.300 camas, as quais se somarão aos 1.000 leitos previstos para o primeiro hospital para pacientes portadores do vírus que será construído em dez dias.

Vírus: Governo português reforça apoio a cidadãos de Wuhan e admite retirá-los

O Governo tem estado a estabelecer contacto com os portugueses, tendo identificado duas dezenas de cidadãos que são ali residentes ou que se encontram em visita à cidade de Wuhan.

Hong Kong declara estado de emergência devido a coronavírus

O país decidiu ainda manter encerradas as escolas primárias e secundárias durante as duas próximas semanas, depois das férias do Ano Novo Lunar.
Comentários