PremiumCDU recusa viragem do partido à direita antes do pós-Merkel

Vitória de Armin Laschet aponta para a continuidade nos democratas-cristãos. Mas os 52% obtidos nas eleições internas não são suficientes para o descansar.

O ministro-presidente do estado alemão da Renânia do Norte-Vestefália, Armin Laschet, foi eleito líder da CDU, o partido democrata-cristão da chanceler Angela Merkel, derrotando Friedrich Merz. Com a vitória de Laschet o partido deu nota de, por um lado, querer manter-se no centro do espectro político alemão mas, por outro, demonstrou que está dividido em relação a esse posicionamento, uma vez que a escolha do novo líder só se concretizou à segunda volta.

O debate interno sobre que posição deveria o partido tomar no quadro político alemão era intenso desde as últimas eleições gerais, em setembro de 2017, em que Angela Merkel não só não conseguiu maioria absoluta, como teve uma das prestações mais fracas da sua longa carreira política. Acossada à direita pelo crescimento dos extremistas da Alternativa para a Alemanha (AfD) e à esquerda pelos Verdes, a CDU deu mostras, ao longo destes três anos, de vacilar na opção.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumLagarde e Powell permitem inflação pontual

As autoridades monetárias pretendem continuar com a sua política acomodatícia apesar de “pontuais” subidas da inflação pós-pandemia.

Premium‘Dragões’ e ‘leões’ com os olhos no título e nos milhões

FC Porto e Sporting CP entram em campo separados por 10 pontos. Em causa está não só o título nacional, como a própria entrada direta na Liga dos Campeões que, no caso dos portistas, poderá levar a vendas de jogadores devido ao fair-play financeiro.

PremiumExploração espacial: Todos os caminhos vão dar a Marte

O planeta vermelho está por estes dias cheio de trânsito: três missões – dos Estados Unidos, da China e dos Emirados Árabes Unidos – evoluem em paralelo, na tentativa de darem a perceber melhor as suas caraterísticas, até porque a NASA pretende trazer amostras recolhidas pela Perseverance de volta para a Terra. Entre o sonho humano de chegar sempre mais longe e a vontade política de comandar esse sonho, Marte é a próxima fronteira.
Comentários