Cellnex adquire mais cerca de 700 torres à Altice por 209 milhões. Negócio já tem ‘ok’ da Concorrência (com áudio)

No mercado português, a ​​​​​​​Cellnex controla, através da OMTEL e On Tower, mais de cinco mil torres de telecomunicações. O operador está em Portugal desde 2020, após a aquisição da OMTEL e da NOS Towering. Cellnex já regista mais de dois mil milhões de euros em investimentos no país.

Nuno Carvalhosa, administrador-delegado da Cellnex Portugal

A Cellnex Portugal vai adquirir mais cerca de 700 torres de telecomunicações à Altice Portugal por 209 milhões de euros, revelou o presidente executivo do operador grossista de telecomunicações, Nuno Carvalhosa, numa publicação de LinkedIn. Na mesma mensagem, o gestor adianta que o negócio já recebeu luz verde da Autoridade da Concorrência (AdC).

Segundo Nuno Carvalhosa, a operação é “mais um passo importante” para a parceria entre a Cellnex e a Altice Portugal, que reforça o “potencial de crescimento orgânico” do operador de torres de telecomunicações, “através da disponibilização destas infraestruturas a todos os operadores”. Já a autorização da AdC é vista como um “reconhecimento do contributo pró-competitivo” da Cellnex no mercado nacional.

O regulador liderado por Margarida Matos Rosa adotou na terça-feira uma decisão de não oposição ao negócio, por considerar que este “não é suscetível de criar entraves significativos à concorrência efetiva nos mercados identificados”.

A operação de concentração, comunicada ao regulador a 12 de julho, consiste na transação da Altice Portugal para a Cellnex Portugal de “um conjunto de ativos da atual infraestrutura passiva da Meo”. Os ativos de infraestrutura em causa são utilizados atualmente para o “alojamento de equipamento da rede móvel (macro-sites e micro-sites)” da Meo.

Após a aprovação da Autoridade da Concorrência, as cerca de 700 torres “serão objeto de um carve-out [separação e alienação] para uma ‘NewCo’ [subsidiária], e sobre a qual a Cellnex Portugal adquirirá o controlo exclusivo”, segundo a ficha do processo da decisão do regulador.

Este é o quinto negócio que a Cellnex fecha em Portugal, desde que começou a apostar no mercado nacional. A última operação ocorreu em abril, quando o operador grossista avançou para a compra de 65 torres de telecomunicações da ONI. O CEO da Cellnex Portugal sublinhou, ainda, que o operador grossista já regista mais de dois mil milhões de euros investidos no mercado nacional.

A Cellnex Portugal é uma subsidiária do grupo Cellnex Telecom, uma telecom espanhola que é o maior operador grossista de infraestruturas de telecomunicações na Europa. A atividade da Cellnex incide, sobretudo, na instalação e gestão de infraestruturas passivas de suporte a redes de telecomunicações sem fios, ou seja, torres e sites de telecomunicações.

No mercado português, a ​​​​​​​Cellnex controla, através da OMTEL e On Tower, mais de cinco mil torres de telecomunicações. O operador está em Portugal desde 2020, após a aquisição da OMTEL e da NOS Towering, à Altice Portugal e NOS, respetivamente.

Recomendadas

Balsemão: “Este livro não é, nem pretende ser, um ajuste de contas”

A apresentação do livro de 962 páginas, onde o patrão do Expresso e da SIC, conhecido jornalista, empresário e político relata as suas Memórias, coube a Luís Marques Mendes e Clara Ferreira Alves. “Devemos agradecer às pessoas que nos fazem felizes”, disse Balsemão, citando Proust.

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Moody’s sobe rating da CP

“A subida tem em conta as fortes ligações entre a Comboios de Portugal e o soberano, do qual recebe um apoio financeiro considerável”, considerou Francesco Bozzano, o analista da empresa na agência norte-americana, onde tem o cargo de analista vice-presidente-sénior.
Comentários