Celside Insurance avança para o mercado português e prevê contratar 200 pessoas

Com 8 milhões de clientes na Europa, a seguradora escolhe Portugal como um dos mercados estratégicos na sua expansão internacional. Em 2021 a Celside Insurance prevê contratar 200 colaboradores no país.

A Celside Insurance, empresa europeia de seguros para o mundo digital, decidiu apostar no mercado português.

A marca internacional de seguros para telemóveis, multimédia e outros dispositivos conectados, considera Portugal um mercado estratégico na estratégia de  internacionalização.

Este ano, o grupo decidiu renovar a sua aposta na Península Ibérica – um mercado que, segundo o comunicado da seguradora, é considerado estratégico para a empresa. Em 2021, a Celside atingiu um volume de negócios de 150 milhões de euros, sendo que a meta é chegar aos 200 milhões em 2021.

Para conseguir atingir este objetivo, o grupo Celside Insurance prevê contratar, até ao final de 2021, 500 colaboradores na região, 200 dos quais em Portugal.

A Celside Insurance é uma das insígnias do Indexia Group, fundado em França em 1999 e que desde 2010 se especializou em seguros para telemóveis e multimédia. Além de França, o grupo está presente na Suíça, Bélgica, Espanha e Portugal.

“Com 22 anos de experiência, a Celside conta com 8 milhões de clientes na Europa e distingue-se pelos seus seguros eficientes e flexíveis, adaptados às necessidades de cada cliente”, diz a seguradora.

“A Celside distingue-se pelos seus seguros personalizados que cobrem todos os riscos, independentemente da sua causa”, explica em comunicado.

Ler mais
Recomendadas

20 maiores devedores do Novo Banco deixaram buraco de 1,26 mil milhões de euros

Prejuízo foi pago à entidade bancária pelos contribuintes com base no Acordo de Capitalização Contingente (ACC), entre 1 de julho de 2016 e o final de 2018.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.

PremiumGoverno comprometeu-se a emprestar até 9,35 mil milhões ao Fundo de Resolução

No Acordo-Quadro assinado em 2017, o Estado comprometeu-se a emprestar ao Fundo o valor necessário para este injetar no Novo Banco, até ao máximo de 9,35 mil milhões, num prazo de 11 anos. Insolvência do NB teria custado 14 mil milhões de euros.
Comentários