Centeno admite “recessão” de “alguns pontos percentuais do PIB” para este ano

O ministro das Finanças apontou que a “recessão” poderá fazer com que o “saldo orçamental se venha deteriorar em alguns pontos percentuais do PIB”, disse no mesmo dia em que se soube que o país registou o primeiro excedente orçamental em 47 anos.

Cristina Bernardo

No mesmo dia em que se soube que Portugal atingiu o primeiro excedente orçamental em 47 anos, o ministro das Finanças admitiu que o país poderá enfrentar uma “recessão” devido à paragem forçada da economia devido à epidemia do novo coronavírus (Covid-19).

“Há pouco mais de um mês não estaríamos a fazer este tipo de cenários. A economia portuguesa no final de 2019 era a que mais crescia na Europa Ocidental, e essa trajetória manteve-se em janeiro e fevereiro”, começou por dizer esta quarta-feira em conferência, quando questionado pelos jornalistas através de vídeo conferência acerca das previsões do Governo para este ano.

“Os cenários que temos pela frente são de uma paragem temporária de uma dimensão muito substancial do nosso tecido económico. Isso levará a uma redução muito acentuada da atividade económica no segundo trimestre. E, nos cenários em que estamos a trabalhar, de uma recuperação no sentido da normalidade no resto do ano”, sublinhou.

Mário Centeno admitiu a possibilidade de um “cenário de recessão no conjunto do ano”, tal como vai acontecer nas restantes economias afetadas pelo Covid-19, afirmou.

“O cenário de recessão será tao mais forte quanto mais tempo vemos a retomar todas as nossas atividades habituais que realizamos até ao dia 15 de março. Temos de nos focar na contenção sanitária, com um olhar posto já nesse momento em que possamos regressar a normalidade. Quanto mais rapidamente o fizermos, menor serão os impactos económicos. Os próximos dias serão decisivos para a luta contra a disseminação e a propagação”, destacou.

“A paragem súbita da economia a nível global, nunca vista na história recente, vai ter um impacto nas contas publicas. Será da dimensão da recessão económica”, sublinhou, apontando para a necessidade também do Estado proceder ao “reforço do apoio social e dos serviços de saúde”.

“É cedo para construir cenários numericamente detalhados; estaremos a falar de números podem facilmente fazer com que o saldo orçamental se venha deteriorar em alguns pontos percentuais do PIB”, revelou.

 

Centeno: “Portugal nunca esteve tão bem preparado para uma crise como hoje”

Ler mais

Relacionadas

Centeno: “Portugal nunca esteve tão bem preparado para uma crise como hoje”

A garantia foi dada por Mário Centeno no dia em foi confirmado que Portugal atingiu pela primeira vez um saldo orçamental positivo em democracia. Há 47 anos, desde 1973, que o país não atingia um excedente orçamental: de 0,2% do PIB em 2019.

Pela primeira vez em democracia, Portugal teve excedente orçamental de 0,2% em 2019

Centeno fecha 2019 com um excedente orçamental e supera as projeções inscritas pelo Governo no Orçamento do Estado para 2020, que apontava para um défice de 0,1% do PIB.

Dívida pública caiu para 117,7% do PIB no ano passado, de 122% em 2018

O INE adiantou que prevê que o rácio deverá descer para 114,9% do PIB este ano, o que compara com os 116,2% inscritos no Orçamento do Estado para 2020. A informação foi divulgada na primeira notificação do Procedimento dos Défices Excessivos.
Recomendadas

Diretores de jornais e revistas lançam apelo: diga não à pirataria

Numa iniciativa inédita, os diretores dos principais jornais e revistas de Portugal juntaram-se num apelo conjunto aos leitores para que digam não à pirataria. O jornalismo de qualidade só será viável se tiver o apoio dos seus leitores.

Mais de 80% dos pacientes infetados com Covid-19 estão a recuperar em casa

Segundo os dados hoje divulgados, existem 1.124 profissionais de saúde infetados pelo novo coronavírus (Covid-19) em Portugal.

Recorde. 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego em duas semanas

Número semanal de pedidos de desemprego bate um recorde pela segunda semana consecutiva, atingindo os 6,6 milhões de trabalhadores. Em duas semanas, 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego devido à pandemia da Covid-19.
Comentários