Centeno pediu para ser recebido por Marcelo com o tema Novo Banco na agenda

A situação do Novo Banco preocupa o Banco de Portugal, que é a autoridade de resolução em Portugal, e a entidade responsável pelo Fundo de Resolução. Marcelo recebeu ontem o Governador do Banco de Portugal a pedido de Centeno.

Cristina Bernardo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu o Governador do Banco de Portugal, a pedido do próprio, segundo uma publicação que consta do site da Presidência, com data de ontem, segunda-feira.

“O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa recebeu, esta tarde no Palácio de Belém a pedido deste, o governador do Banco de Portugal, Mário Centeno”, lê-se numa nota divulgada no portal da Presidência da República na internet. Nesta nota de um parágrafo, nada é referido quanto aos assuntos na agenda deste encontro.

O Jornal Económico apurou que o motivo do encontro foi o Novo Banco. O Governador do Banco de Portugal foi falar da importância da capitalização do Novo Banco para garantir a estabilidade financeira, numa altura em que a injeção do dinheiro do Fundo de Resolução ao abrigo do Acordo de Capitalização Contingente, está a ser posta em causa pelo Bloco de Esquerda, em vésperas de aprovação do Orçamento de Estado.

Contactada, a fonte oficial do Banco de Portugal não fez comentários.

O Jornal Económico sabe que Mário Centeno está preocupado com a falta de margem política para inscrever no Orçamento do Estado para 2021 a verba que o Fundo de Resolução terá de injetar no capital no Novo Banco.

O Bloco de Esquerda, que está a negociar com o Governo as condições para deixar passar o Orçamento de Estado do próximo ano, já impôs ao Governo socialista, como uma das linhas intransponíveis, a não inscrição da tradicional verba de empréstimo ao Fundo de Resolução.

O que levou já o Executivo a falar com os bancos para encontrar um sindicato bancário que se substitua ao Estado no empréstimo ao Fundo de Resolução, que permita ao banco cumprir a última fase de limpeza do balanço ao abrigo do Acordo de Capitalização Contingente.

Mas para além de condicionar a aprovação do Orçamento de Estado para 2021 à não inscrição da verba, contratualmente definida, de empréstimo anual do Estado ao Fundo de Resolução (cujo o tecto são os 850 milhões), Catarina Martins revelou ontem na SIC, que quer que o Estado proíba o Fundo de Resolução de injetar qualquer verba no Novo Banco, invocando que, sendo uma entidade que está no perímetro da administração pública, essa injeção agrava o défice público.

Essa exigência colide com o que está contratado entre o Fundo de Resolução e o Novo Banco. O Estado não tem poder para desfazer esse contrato, mas o Banco de Portugal quis explicar ao Chefe de Estado porque o cumprimento desse contrato é importante. Recorde-se que a venda do Novo Banco, em 2017, ao fundo Lone Star, e a manutenção do Fundo de Resolução com 25% do capital, obrigou ao estabelecimento de um acordo entre a DG Comp europeia e o Estado português com remédios e compromissos que Bruxelas não está disponível para flexibilizar.

O Fundo de Resolução é responsabilidade do Banco de Portugal, que é a autoridade de resolução em Portugal, só o Fundo de Resolução poderia rasgar o Acordo de Capitalização Contingente. No entanto isso poria o Estado português em xeque perante a Comissão Europeia.

O Novo Banco precisa de vender 1.200 milhões de euros em crédito malparado até ao final do ano ( de um total de 3 mil milhões de NPE – Non-Performance Exposure, que ainda tem em carteira), segundo disse o presidente executivo, António Ramalho, à agência de informação financeira Bloomberg.

O compromisso assumido com Bruxelas, no âmbito da venda ao Lone Star, obriga o banco a ter resultados positivos no exercício de 2021.

 

Ler mais
Relacionadas

Miguel Maya: Financiamento do Fundo de Resolução tem de ser analisado com cuidado e rigor

Miguel Maya transmitiu esta posição à margem da V Cimeira do Turismo Português, que está hoje a decorrer em Lisboa, depois de ter sido questionado sobre a possibilidade de virem a ser encontradas fontes de financiamento alternativas ao Fundo de resolução sem ser através de empréstimos públicos.

Marques Mendes diz que CGD liderará sindicato bancário para financiar o Novo Banco

Luís Marques Mendes, revelou este domingo que a injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco vai ser possível através do empréstimo de um sindicato bancário, que será liderado pela CGD. O comentador revelou que não houve qualquer conversa entre o BCP e o Governo para uma fusão com o Montepio. O JE confirmou que Miguel Maya não falou com João Leão sobre uma integração do Banco Montepio.

Faria de Oliveira: “Novo Banco? Os compromissos de Estado são para cumprir”

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, considera que, sobre os pagamentos do Fundo de Resolução ao Novo Banco, existindo um compromisso escrito através de um contrato, “o não cumprimento em termos de reputação do país é extremamente negativo”.
Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários