Central de Cervejas promove produção de cevada em Alcácer do Sal

Esta iniciativa de inovação agrícola resultou numa área total de 100 hectares de produção de cevada em Alcácer do Sal, distribuídos por três produtores agrícolas e com uma estimativa de produção anual total de 300 toneladas de cevada dística.

A Central de Cervejas e a Agri Marketplace lançaram uma iniciativa conjunta para promover a criação de uma nova fileira de produção de cevada dística em Alcácer do Sal, com a garantia de aquisição pela Central de Cervejas

“A Central de Cervejas e a Agri Marketplace, ‘start-up’ portuguesa que se dedica à digitalização do mercado de compra e venda de produtos agrícolas e que tem como um dos seus focos as culturas de cereais, estabeleceram uma parceria para a promoção da criação de uma nova fileira de produção de cevada dística em Alcácer do Sal, um projeto conjunto que começou a ser desenhado em 2019 e que tem como objectivos potenciar a inovação na cadeia de valor e a promover  a agricultura nacional”, revela um comunicado da cervejeira.

Segundo a nota informativa, “desta parceria resultou um projecto de cultivo de cevada dística pelos produtores de arroz da região do Vale do Sado, com garantia de aquisição dessa produção pela Central de Cervejas”.

“Esta iniciativa conjunta surge como resposta ao problema de escassez de água que a região do Vale do Sado tem sofrido nos últimos anos, acrescido dos constrangimentos de acesso a água em 2020, como consequência de obras a decorrer nos canais de rega, o que afetou negativamente a produção de arroz”, adianta o referido comunicado.

De acordo com os responsáveis da Central de Cervejas, “a criação desta nova fileira de cevada em Alcácer do Sal é também uma oportunidade para os produtores agrícolas desta região mitigarem efeitos da situação de crise dos últimos anos, através deste rendimento alternativo e, simultaneamente, uma diversificação agrícola a longo prazo, através da implementação de uma cultura de sequeiro”.

“Também foi possível dinamizar outras entidades da região, como a APARROZ – Agrupamento de Produtores de Arroz do Vale do Sado, através da sua prestação de serviços de beneficiação e armazenamento do cereal”, acrescenta o comunicado em questão.

“Para a Central de Cervejas este é mais um exemplo da abordagem do seu programa de sustentabilidade que define compromissos ao longo de toda a cadeia de valor – ‘da cevada até ao bar’-, privilegiando a aquisição de matérias-primas de fornecedores nacionais, reduzindo assim o volume da quota de cevada importada (importação que resulta da indisponibilidade no mercado nacional de todas as necessidades do sector para a produção das suas cervejas) e  assim contribuindo activamente no desenvolvimento económico e social das respectivas comunidades”, assinala a cervejeira.

Os responsáveis da Cental de Cervejas consideram que “esta iniciativa representa uma verdadeira inovação agrícola, com a execução de um processo de ‘procurement’ altamente personalizado efetuado pela Agri Marketplace na região do Vale do Sado e que resultou numa área total de 100 hectares de produção de cevada em Alcácer do Sal, distribuídos por três produtores agrícolas e com uma estimativa de produção anual total de 300 toneladas de cevada dística”.

“A expectativa é que a iniciativa se possa repetir no próximo ano e expandir-se geograficamente para que mais produtores tenham acesso a esta oportunidade de rendimento e de exploração de uma nova cultura agrícola”, conclui o comunicado da Central de Cervejas.

Ler mais

Recomendadas

Von der Leyen aguarda “bons resultados” da presidência portuguesa da UE

Numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal desde que assumiu a presidência do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, antecipando a quarta presidência portuguesa da União, sublinha que esta “surge num momento crucial”, pois a pandemia, que provocou a maior crise na Europa desde a II Guerra Mundial, “ainda não acabou e a recuperação está ainda numa fase inicial”.

Von der Leyen: Portugal está no bom caminho energético e digital

“Já antes da pandemia, Portugal estava no bom caminho para garantir um cabaz energético mais limpo e uma maior digitalização”, declara a responsável, numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário.

Portugal será importante beneficiário do fundo de recuperação, sublinha Von der Leyen

Em entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen afirma que “os cidadãos portugueses lutaram de forma muito corajosa e disciplinada contra o vírus e até têm sido mais bem-sucedidos do que outros”, e podem contar com o apoio da UE, que ajudará igualmente a “impulsionar” a retoma da economia portuguesa.
Comentários