Central de energia da Mota-Engil no México recebeu primeira unidade de produção

A primeira fase deste projeto, com a entrada em produção prevista para junho de 2019, arranca com um investimento de 2.800 milhões de pesos (121 milhões de euros) para alcançar uma capacidade total de produção de 100 MW.

A Mota-Engil México, através da Generadora Fénix, recebeu esta semana a primeira unidade móvel de turbo-geração SGT-A45, fabricada pela Siemens, que irá contribuir para produção de energia elétrica no México.

O evento teve como objetivo simbolizar o arranque da primeira fase do Projeto da Central de Produção Elétrica Jorge Luque.

A primeira fase deste projeto arranca com um investimento de 2.800 milhões de pesos (121 milhões de euros) para alcançar uma capacidade total de produção de 100 MW.

Recorde-se que a Generadora Fénix, empresa mexicana, é resultado da parceria estratégica entre a Mota-Engil México e o Sindicato Mexicano de Electricistas (SME),

“Na primeira fase, com entrada em operação em junho de 2019, a central alcançará uma produção de 33 Mw. A segunda, em outubro de 2019, e a terceira, que está prevista para concluir em março de 2020, permitirá alcançar uma capacidade total de 100 MW”, avança um comunicado da Mota-Engil.

Segundo esse documento, “o projeto Jorge Luque na sua versão integral, contempla uma produção de 1.700 MW, e realizar-se-á gradualmente através de um investimento total aproximado de 30 mil milhões de pesos (1,3 mil milhões de euros)”.

No evento, onde participaram governantes mexicanos, e representantes da Mota-Engil e da Generadora Fénix, primeiro operador privado do setor elétrico no México, os responsáveis desta última empresa reiteraram o seu compromisso de
investimento de acordo com os programas públicos do sector energético, de modo a manter uma participação significativa no mercado eléctrico mexicano, conseguindo assim dar seguimento à reintegração dos trabalhadores do Sindicato Mexicano de Electricistas (SME), contratando trabalhadores locais para a operação e
manutenção dos empreendimentos elétricos.

“A Generadora Fénix é uma empresa mexicana resultado da parceria celebrada em 2015 entre a Mota-Engil e o Sindicato Mexicano de Electricistas (SME), constituindo o primeiro operador privado no setor elétrico no México. A empresa resultou da necessidade do SME de associar um parceiro estratégico e com capacidade para investir nos empreendimentos que haviam sido atribuídos a esta entidade pelo Governo mexicano como resultado de uma intensa negociação após a dispensa de milhares de trabalhadores, sendo a Fénix a sociedade que pretende, através de um programa de investimento e com licenças para operação até 2.000Mw, reintegrar os quadros mexicanos do setor que haviam ficado em situação de desemprego, tendo a Mota-Engil Mexico sido o parceiro selecionado pelo SME para este projeto de constituição da Generadora Fénix que pretende alcançar uma posição de relevância no mercado de energia elétrica”, adianta o referido comunicado da Moa-Engil.

Por seu turno, o grupo português é hoje uma das 30 maiores construtoras europeias, com mais de 29.000 colaboradores distribuídos por 285 empresas em todo o mundo.

“Na América Latina, a Mota-Engil é a 7.ª maior construtora da região, com 960 milhões de euros de faturação em 2017, um crescimento de 32% face a 2016”, destaca o referido comunicado.

Ler mais

Recomendadas

Sacyr vende filiais de construção em África por 33 milhões de euros

A Sacyr explica que vendeu “as suas filiais de construção em África no quadro da sua estratégia de concentração em negócios de concessões nos seus mercados de referência”.

PremiumCEO da Somague: “Nós, empresas portuguesas, respeitamos os nossos concorrentes”

Eduardo Campos Pozuelo conseguiu reduzir a dívida da construtora do Grupo Sacyr de 200 para 45 milhões de euros em menos de três anos.

Setor das obras públicas com variações positivas no final do terceiro trimestre de 2020

O total de empreitadas de obras públicas objeto de celebração de contrato e registo no Portal Base até final do terceiro trimestre, foi de 2.070 milhões de euros, mais 3% que o verificado em 2019″, conclui o mais recente barómetro do setor, efetuado e divulgado pela AICCOPN.
Comentários