Central solar flutuante no Alqueva entra em operação este ano

O projeto vai ter 12 mil painéis solares fotovoltaicos e vai ter a capacidade para abastecer as necessidades anuais de 25% da população da região.

A central solar flutuante da EDP no Alqueva vai começar a ser instalada durante o verão e deverá estar a produzir eletricidade até ao final deste ano.

Este projeto vai ter mais de 12 mil painéis solares fotovoltaicos e vai ter uma capacidade de produzir anualmente 7 gigawatts hora por ano.

“A expetativa é que venha a abastecer o equivalente a 25% dos consumidores da região (Portel e Moura)”, disse o grupo EDP em comunicado divulgado esta terça-feira, 11 de maio.

A central recebeu o seu licenciamento final para ser instalada na albufeira da barragem do Alqueva.

“O futuro parque solar, que conta também com um sistema de armazenamento com baterias, envolve um investimento total na ordem dos quatro milhões de euros e será integrado com a central hídrica do Alqueva, uma central hídrica com bombagem e um dos maiores sistemas de armazenamento de energia do país”, segundo a EDP.

O projeto está a ser “desenhado num modelo de funcionamento híbrido, já que o sistema de bombagem permite utilizar a energia eólica e solar, em períodos de menor consumo, para bombear a água da albufeira e, dessa forma, reutilizá-la para produzir nova energia hidroelétrica”.

A EDP recorda o “bem-sucedido projeto-piloto no Alto Rabagão (nas imagens) com 840 painéis” e destaca que esta nova central em maior escala está em “alinhamento total com a estratégia global da empresa, que passa por aumentar o investimento em projetos de inovação e renováveis, de forma a ser 100% verde até 2030”.

 

Recomendadas

PremiumEuro2020 pode ser pontapé para relançar mercado publicitário das marcas

Cobertura mediática será maior do que em 2016, mas é pouco provável que se traduza em recordes de audiências, dizem especialistas. Ainda assim, as marcas deverão aproveitar a oportunidade.

Já pode investir na criptomoeda Dogecoin com a aplicação da Revolut

A fintech britânica tem 30 criptomoedas disponíveis para investimento. Curiosamente, a cara que está nesta moeda virtual – ou seja, o focinho de cão – foi esta sexta-feira vendida como NFT por 4 milhões de dólares.

Ophiomics é a primeira empresa portuguesa a receber verbas do fundo do European Innovation Council

Ophiomics assegurou um investimento de um milhão de euros do fundo do European Innovation Council, no âmbito do programa-quadro Horizonte Europa, que é uma continuação do Horizonte 2020. Biotecnológica portuguesa é uma das 75 PME europeias mais “promissoras” para Bruxelas.
Comentários