Centromarca: “Campanha de PR da Mercadona ultrapassa dimensão efetiva da operação em Portugal”

Em declarações ao Jornal Económico, o diretor geral da Centromarca considera que a estratégia de expansão da Mercadona em território nacional, anunciada na passada segunda-feira, dia 3 de Setembro, já era previsível, atendendo a que foram sendo conhecidas sucessivas localizações, em muitos casos relacionadas com a aquisição de terrenos.

Pedro Pimentel, diretor geral da Centromarca, considera que o grupo retalhista espanhol Mercadona está a desenvolver  uma “exemplar campanha comunicacional e de relações públicas” para sustentar a entrada no mercado da distribuição em Portugal, a qual, no seu entender, dá “uma dimensão ao ‘fenómeno’ que ultrapassa claramente a dimensão efetiva da operação”.

Em declarações ao Jornal Económico, este responsável considera que a estratégia de expansão da Mercadona em território nacional, anunciada na passada segunda-feira, dia 3 de Setembro, já era previsível, atendendo a que foram sendo conhecidas sucessivas localizações, em muitos casos relacionadas com a aquisição de terrenos.

Pedro Pimentel considera que já há muito se haviam ultrapassado as quatro lojas anunciadas inicialmente. Recorde-se que na passada segunda-feira, a Mercadona anunciou o reforço do investimento em Portugal das iniciais quatro lojas e de cerca de 25 milhões de euros de investimento para um total de oito a 10 lojas e um investimento global calculado em cerca de 100 milhões de euros.

Para o director geral da Centromarca, o aumento do número de lojas da Mercadona em Portugal era tão expectável quanto o aumento do valor de investimento, sobretudo “se considerados os restantes investimentos já concretizados ou anunciados (como a sede social, o centro de co-inovação em Matosinhos, a base logística em Laúndos, na Póvoa do Varzim, ou o programa de formação dos colaboradores já contratados)”.

Pedro Pimentel ressalva que apesar de as anunciadas dez lojas da Mercadona passarem a integrar um setor que conta já com mais de três mil lojas, mas sublinha que “é fácil compreender o receio que esta operação de entrada da Mercadona no mercado português está a gerar nos principais competidores”.

E a justificar este impacto, o diretor-geral da Centromarca aponta também o sucesso do modelo de negócio implantado por esta cadeia em Espanha (onde é destacado líder de mercado, com um êxito assente, substancialmente, na penetração das suas próprias marcas), além do referido acerto na campanha comunicacional. 
Relacionadas

Mercadona reforça investimento em Portugal para 100 milhões e abre mais lojas

Depois de ter anunciado, em 2016, o projeto de internacionalização em Portugal, a rede espanhola de supermercados decidiu acelerar o investimento no nosso país, passando de 25 para 100 milhões de euros e de quatro para oito a dez lojas.

Quem é Juan Roig, a alma por trás da Mercadona

Em vez de ir gozar a reforma e a larga fortuna que amealhou, o maior responsável pelo grupo líder da distribuição espanhola preferiu apostar em novos desafios: a Internet e a expansão para Portugal. Perfil de um empresário com dificuldades em ficar quieto.
Recomendadas

Leite achocolatado, bolachas e cereais para crianças deixam de ter publicidade

A lei da publicidade vai apertar a partir do próximo mês de Outubro. As multas para os que infringirem a lei da publicidade ronda os 1.750 euros e 45 mil euros. Outros produtos que deixarão de ser publicitados a este público são também 90% dos cereais de pequeno almoço e 72% dos iogurtes que estão no mercado.

Portugal aceita renegociação de dívida cubana com mais de 30 anos

Dívida cubana em atraso resultou de operações de crédito garantidas por Portugal através da companhia de seguros de crédito COSEC e remonta aos anos 80. Estado cubano compromete-se a pagar até 2029 prestações anuais crescentes.

Apetite dos investidores pela dívida portuguesa não deverá tirar férias

Esta quarta-feira, o IGCP realiza um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro, num mês em que “há menos” liquidez nos mercados. Segundo o diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva, “apesar de estarmos em agosto” não irá ter qualquer efeito na ida de Portugal aos mercados.
Comentários