Centromarca: “Campanha de PR da Mercadona ultrapassa dimensão efetiva da operação em Portugal”

Em declarações ao Jornal Económico, o diretor geral da Centromarca considera que a estratégia de expansão da Mercadona em território nacional, anunciada na passada segunda-feira, dia 3 de Setembro, já era previsível, atendendo a que foram sendo conhecidas sucessivas localizações, em muitos casos relacionadas com a aquisição de terrenos.

Pedro Pimentel, diretor geral da Centromarca, considera que o grupo retalhista espanhol Mercadona está a desenvolver  uma “exemplar campanha comunicacional e de relações públicas” para sustentar a entrada no mercado da distribuição em Portugal, a qual, no seu entender, dá “uma dimensão ao ‘fenómeno’ que ultrapassa claramente a dimensão efetiva da operação”.

Em declarações ao Jornal Económico, este responsável considera que a estratégia de expansão da Mercadona em território nacional, anunciada na passada segunda-feira, dia 3 de Setembro, já era previsível, atendendo a que foram sendo conhecidas sucessivas localizações, em muitos casos relacionadas com a aquisição de terrenos.

Pedro Pimentel considera que já há muito se haviam ultrapassado as quatro lojas anunciadas inicialmente. Recorde-se que na passada segunda-feira, a Mercadona anunciou o reforço do investimento em Portugal das iniciais quatro lojas e de cerca de 25 milhões de euros de investimento para um total de oito a 10 lojas e um investimento global calculado em cerca de 100 milhões de euros.

Para o director geral da Centromarca, o aumento do número de lojas da Mercadona em Portugal era tão expectável quanto o aumento do valor de investimento, sobretudo “se considerados os restantes investimentos já concretizados ou anunciados (como a sede social, o centro de co-inovação em Matosinhos, a base logística em Laúndos, na Póvoa do Varzim, ou o programa de formação dos colaboradores já contratados)”.

Pedro Pimentel ressalva que apesar de as anunciadas dez lojas da Mercadona passarem a integrar um setor que conta já com mais de três mil lojas, mas sublinha que “é fácil compreender o receio que esta operação de entrada da Mercadona no mercado português está a gerar nos principais competidores”.

E a justificar este impacto, o diretor-geral da Centromarca aponta também o sucesso do modelo de negócio implantado por esta cadeia em Espanha (onde é destacado líder de mercado, com um êxito assente, substancialmente, na penetração das suas próprias marcas), além do referido acerto na campanha comunicacional. 

Relacionadas

Mercadona reforça investimento em Portugal para 100 milhões e abre mais lojas

Depois de ter anunciado, em 2016, o projeto de internacionalização em Portugal, a rede espanhola de supermercados decidiu acelerar o investimento no nosso país, passando de 25 para 100 milhões de euros e de quatro para oito a dez lojas.

Quem é Juan Roig, a alma por trás da Mercadona

Em vez de ir gozar a reforma e a larga fortuna que amealhou, o maior responsável pelo grupo líder da distribuição espanhola preferiu apostar em novos desafios: a Internet e a expansão para Portugal. Perfil de um empresário com dificuldades em ficar quieto.
Recomendadas

Direito de Resposta: “Inspetor Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor e principal interessado em investigação em curso”

IGF garante que foram o Conselho de Inspeção e o Inspetor-Geral da IGF que participaram os indícios de crimes praticados por trabalhadores e em relação aos quais esses trabalhadores foram constituídos arguidos. “Em retaliação, um desses trabalhadores apresentou queixa contra a sua superior hierárquica e contra o Inspetor-Geral no âmbito da auditoria à Cruz Vermelha Portuguesa, os quais imediatamente se disponibilizaram para a realização de todas as investigações judiciais necessárias à salvaguarda do seu bom nome e das instituições públicas visadas e à efetiva condenação do trabalhador, autor de atos ilícitos”, refere. “Assim, o Inspetor-Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor, agente ativo e principal interessado na referida investigação”, conclui.

Governo já pediu a Bruxelas que IVA da luz possa variar em função do consumo

Executivo já iniciou processo para ter autorização da Comissão Europeia para criar escalões de consumo para o IVA da eletricidade.

Maria e Francisco foram os nomes mais escolhidos para bebés em Portugal este ano

Francisco foi pela primeira vez o nome mais escolhido para rapazes, Maria mantém a primeira posição entre as raparigas.
Comentários