CEO da TAP: Vinci “não percebia nada de aviões quando chegou” ao aeroporto de Lisboa

O líder da transportadora aérea criticou os franceses da Vinci pela solução adotada para o aeroporto de Lisboa, que não vai favorecer nenhum dos voos da TAP. “Não se pode dar as infraestruturas de um país, e em regime de monopólio, sem exigir uma série de investimentos”, disse o gestor, criticando os moldes em que o aeroporto foi privatizado.

O presidente executivo da companhia aérea portuguesa TAP deixou críticas ao grupo francês Vinci que detém a concessão da gestão do aeroporto de Lisboa.

Em entrevista ao jornal espanhol El País, Antonoaldo Neves aponta que as obras previstas para o aeroporto de Lisboa não vão favorecer nenhum dos voos da TAP, sublinhando que a Vinci, dona da ANA – Aeroportos de Portugal, rejeitou a proposta feita pela TAP, companhia que é responsável por mais de 50% dos movimentos no Humberto Delgado.

A solução prevista pela Vinci para o aeroporto de Lisboa “só favorece 20% dos movimentos, nenhum dos nossos. Oferecemos outra solução que favorecia-nos a 100%, mas a Vinci não quis. Propusemos pagar a obra, também rejeitaram”, disse Antonoaldo Neves ao El País.

“É incompreensível a sua postura, quero acreditar que é um grupo que não sabia de nada de aviões quando chegaram aqui e que no futuro vai fazer melhor; mas não se pode dar as infraestruturas de um país, e em regime de monopólio, sem exigir uma série de investimentos”, criticou, referindo-se aos moldes da privatização finalizada em dezembro de 2012 pelo Governo de Pedro Passos Coelho por um valor de três mil milhões de euros.

A TAP paga mais de 100 milhões de euros por ano à Vinci para usar o aeroporto de Lisboa, segundo o jornal espanhol, seis milhões extra por cada novo avião.

A ANA arrancou em janeiro com as obras para a criação de duas saídas rápidas de pista no aeroporto de Lisboa. Para este efeito, a pista está encerrada entre as 23h30 e as 05h30 até final de junho.

Estas saídas rápidas do avião de pista – conhecidas por rapid exit taxiways – vão ser construídas na pista principal do Humberto Delgado: a 03/21. Já a pista secundária do aeroporto da capital – a 17/35 – já tem o seu encerramento previsto pelo Governo.

Mas o que é que está em causa? “Para a pista 21 [sentido norte/sul] conceptualmente estamos ‘ok’, para a pista 03 [sentido sul/norte] identificámos que o desenho não era ótimo”, disse o diretor da operações da TAP à Lusa no final de novembro.

“A curvatura daquela saída rápida [quando o avião aterra e curva para apanhar a saída, como se fosse uma autoestrada], era uma curva quase de 90 graus, o que fazia com que a utilização estimada, real, daquela pista não fosse a que achávamos que o aeroporto deve ter, que aquela saída não era tão rápida como deveria ser e, portanto, que quase não era saída”, explicou Ramiro Sequeira à Lusa.

Ler mais
Relacionadas

TAP recebe dois novos Airbus A330neo em Lisboa e espera mais 10 aviões este ano

O Airbus A330neo incorpora a última geração de motores Rolls-Royce Trent 7.000 e uma asa de maior envergadura com otimização 3D.

Governo dos EUA exige libertação de tio de Juan Guaidó

Washington acusa Caracas de “inventar provas”, e que vai responsabilizar diretamente Nicolás Maduro pelo que acontecer a Juan Guaidó e à sua família.
TAP Portugal

Pilotos da TAP reúnem-se em assembleia e admitem “formas de luta”

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) vai realizar uma assembleia dos pilotos da TAP para analisar, entre outras coisas, “descontos nos vencimentos relativos à formação”, admitindo “formas de luta laboral”.
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários