CEO do Abanca anuncia em Portugal a introdução de linhas de negócio mais verdes e mais sociais

O Abanca reuniu porta-vozes de Portugal e Espanha para discutir a importância das Finanças Sustentáveis. Foram discutidos temas como a sustentabilidade e os emitentes, o pacote regulatório da União Europeia sobre Finanças Sustentáveis e a sustentabilidade nas instituições financeiras.

O ‘II Encontro de Finanças Sustentáveis: uma perspetiva ibérica’ organizado pelo Abanca, decorreu, esta sexta-feira, nas Caves Calém, no Porto, e trouxe a Portugal o CEO do banco espanhol, Francisco Botas.

O presidente executivo do Abanca disse que “um dos objetivos do Plano de Banca Responsável e Sustentável 2021-2024 é acompanhar o tecido empresarial na transição para um novo modelo económico, canalizando o financiamento e o investimento para projetos que possam transformar a economia”.

O CEO do Abanca defendeu “a introdução progressiva de linhas de negócio mais verdes e mais sociais, sempre com o maior rigor possível, como parte de um processo contínuo de transformação em que é essencial respeitar o tempo de cada cliente”.

Francisco Botas revelou ainda que “o banco está a trabalhar para satisfazer a procura de produtos sustentáveis por parte dos investidores e os requisitos dos organismos reguladores e de supervisão”.

O resultado desta linha de trabalho, segundo o Abanca, é o recente lançamento de três fundos de investimento sustentáveis, o impulso ao modelo de gestão de carteiras Alpha 360, a primeira emissão de obrigações verdes do Abanca e os primeiros produtos de financiamento para novos veículos verdes e pontos de carregamento ligados aos fundos de recuperação Next Generation EU e ao Plano Moves III.

O evento que decorreu no Porto e foi assistido de forma telemática, reuniu especialistas em sustentabilidade e porta-vozes de reguladores que discutiram temas como a sustentabilidade e os emitentes, o pacote regulatório da União Europeia sobre Finanças Sustentáveis e a sustentabilidade nas instituições financeiras.

Participaram Margarita Delgado, Vice-Governadora do Banco de Espanha; Ana Cristina Leal, Diretora do Departamento de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal; Pedro Pimenta, Country Head do Abanca Portugal; Tiago Pitta e Cunha, CEO da Fundação Oceano Azul; Montserrat Martínez Parera, Vice-Presidente da CNMV; e  Manuel Monteiro, Diretor Geral da CMVM.

Recomendadas

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.

Banco CTT vai recolher e reciclar cartões de débito inutilizados através de envelope RSF

“O Banco CTT tem neste momento uma base com mais de 600 mil clientes, pelo que acreditamos que juntarmo-nos a este movimento terá um impacto a prazo relevante na fomentação de hábitos de sustentabilidade ecológicos”, afirma no comunicado Luís Pereira Coutinho, Presidente Executivo do Banco CTT.
Comentários