CEO do UBS diz que tecnologia vai permitir substituir 30 mil trabalhadores do banco

O banco suíço é uma das instituições bancárias que emprega um maior número de trabalhadores. Sergio Ermotti adverte, no entanto, que a confirmar-se a substituição dos trabalhadores por robôs “o serviço não seria o mesmo”.

A revolução da tecnologia, que está cada vez mais sofisticada e eficiente, está a chegar aos diferentes setores empresariais e a banca não é exceção. O CEO do banco suíço UBS, Sergio Ermotti, acredita que o aproveitamento das potencialidades tecnológicas permitiria reduzir em cerca de 30% o número de trabalhadores que colaboram com a instituição bancária, mas adverte que “o serviço não seria o mesmo”.

“Se olharmos para o UBS, vemos que empregamos uma quantidade significativa de pessoas – quase 95.000, incluindo contratados”, afirmou Sergio Ermotti. “Podíamos ter 30% a menos no número de empregados, mas o conteúdo humano continua a ser crucial para os nossos serviços”.

Isso significaria ter de despedir quase 30 mil trabalhadores nos próximos anos para os substituir por robôs. Sergio Ermotti acredita que muitas empresas estão orientadas para este processo, pois vêem estes avanços tecnológicos como uma forma de economizarem mais dinheiro com mão-de-obra.

“A próxima década será marcada pela tecnologia, da mesma forma que a anterior foi marcada por regulação”, considera Sergio Ermotti. “Não é o Big Bang; vai ser muito gradual. Vamos ser mais rápidos e mais eficientes Em vez de atender 50 clientes, poderemos atender 100 e de forma mais sofisticada”.

Um estudo da consultora Accenture concluiu em maio que três quartos dos banqueiros acreditam que a inteligência artificial se vai tornar a principal forma de interação dos bancos com os clientes nos próximos três anos.

 

Recomendadas

Impacto do fim das moratórias na banca será menor que esperado, diz CEO da CGD

“O final das moratórias afetará muitas empresas e muitos particulares – por exemplo no caso da CGD houve mais de 2.000 pessoas que nos pediram para restruturar os seus créditos e, portanto, restruturámo-los -, mas em termos macroeconómicos diria não se espera que o fim das moratórias cause um problema nos bancos, como estava dito, ou cause um problema enorme”, disse Paulo Macedo.

Moody’s melhora rating de seis bancos portugueses

A Moody’s realizou hoje ações de rating em seis grupos bancários portugueses – CGD, BCP, Santander, Novo Banco, BPI e Crédito Agrícola. A agência elevou as classificações de depósito de longo prazo de quatro bancos e a classificação de dívida sénior sem garantia (unsecured) de um banco. Também mudou a perspectiva dos ratings de depósito de longo prazo de três bancos e dos ratings de dívida sénior não garantida de um banco.

Moody’s melhora rating da CGD e elogia cumprimento do plano estratégico

A Moody’s considerou o sucesso do banco na concretização do seu plano estratégico 2017-2020 e que está refletido nos seus rácios de capital e na melhor qualidade de ativos.
Comentários