CEO dos CTT: “Se os Correos de Espanha vierem é mais um concorrente”

Perante a intenção da maior empresa de serviço postal espanhola querer começar a operar em Portugal, o presidente executivo dos CTT, Francisco Lacerda, está tranquilo em manter a quota de mercado de 30% dos CTT, em Portugal.

Cristina Bernardo

O presidente executivo dos CTT – Correios de Portugal, Francisco Lacerda, revelou não estar preocupado com a concorrência, no decurso da conferência de imprensa da apresentação dos resultados anuais de 2018, na quarta-feira. Questionado sobre a possibilidade de o Correos, operadora postal espanhola, começar a operar no mercado português ainda este ano, o CEO dos CTT afirmou tranquilamente: “Se os Correos espanhóis vierem é mais um concorrente”.

De acordo com Lacerda, a atividade deste hipotético concorrente basearia-se na distribuição de encomendas e não no serviço postal e, por isso, o dirigente máximo dos CTT afirmou que a quota de mercado da empresa, que é de 30%, não está em risco.”Temos empresas maiores do que o Correio Espanha a distribuir em Portugal”, acrescentou sem nomear outros operadores de distribuição.

No final do mês de janeiro, a Lusa noticiou que os Correos anunciaram que a entrada em Portugal da empresa que detém o serviço postal nacional de Espanha é uma das linhas estratégicas de crescimento para 2019 – a par de uma entrada no sudoeste asiático -, de forma a aumentar as suas receitas e conseguir ser rentável.

“A estratégia e a vontade da empresa é criar rapidamente uma rede eficiente de distribuição de encomendas em toda a Península Ibérica”, afirmou à agência noticiosa fonte oficial dos Correos.

Apesar de ter fechado o ano de 2018 com  um prejuízo de 150 milhões de euros, e ainda que a previsão para 2019 é que as perdas baixem para cerca de sete milhões de euros, os Correos têm o objetivo de alcançar a rentabilidade da empresa nos próximos exercícios. E para isso a intenção de criar um serviço a nível ibérico, ainda este ano, “com a rede mais eficiente de encomendas”. No fundo a operação deste operador em Portugal assentaria no transporte e entrega de encomendas em menos de 24 horas para toda a Península Ibérica.

 

 

Ler mais
Relacionadas

“Tenho a expectativa de que maioria irá votar contra”, diz CEO dos CTT sobre a nacionalização

Esta quinta-feira, às 15 horas, os deputados vão debater e votar projetos de lei do PCP (para estabelecer o regime de recuperação do controlo público dos CTT), do Bloco de Esquerda (para proceder à nacionalização) e do PEV (para reverter a privatização).

CTT diz que externalização da distribuição está prevista na lei

“Nós cumprimos a lei”, afirmou à margem da apresentação dos resultados anuais referentes a 2018 dos CTT.

“Os CTT não prestam informação enganosa, nem mentem”, diz Francisco Lacerda

Os CTT apresentaram hoje resultados anuais ao mercado, mas o conflito entre a empresa e a Anacom não foi esquecido na conferência de imprensa.

CTT: dividendo de 2018 cai para 0,10 euros por ação

Quebra é de 70% face a 2017. No total, os CTT vão pagar 15 milhões de euros aos acionistas.

Lucro dos CTT caiu 28% em 2018 penalizado por custos de rescisões

As receitas da empresa liderada por Francisco Lacerda foram penalizadas pela quebra dos serviços financeiros e as indemnizações pagas no âmbito do programa de transformação operacional. Ao nível do EBITDA, os números foram estáveis face aos de 2017,

“Tem de haver uma clara segregação entre o serviço postal e o Banco CTT”, defende presidente da Anacom

João Cadete de Matos foi ao Parlamento falar sobre a prestação e qualidade do serviço disponibilizado pela empresa CTT – Correios de Portugal, à luz do contrato de concessão do serviço público universal dos correios e sobre os projetos de lei que alteram a Lei das Comunicações Eletrónicas.
Recomendadas

FNAC passa a vender produtos em segunda mão

Com o lançamento do novo serviço FNAC Restart, a insígnia pretende dar uma segunda vida a equipamentos usados, promovendo assim a economia circular e uma escolha ecológica consciente.

Glovo chega a Évora na próxima semana e passa a estar presente em 32 cidades em Portugal

O unicórnio das entregas continuará a expandir-se no país, com duas a três novas cidades por mês. Ricardo Batista, ‘country manager’, disse ao Jornal Económico que a empresa irá desenvolver a aplicação em termos tecnológicos e alargar os serviços e marcas disponíveis, nomeadamente supermercados e farmácias.

CTT investem 15 milhões de euros na automatização do tratamento de correio

O Centro de Produção e Logística do Sul dos CTT vai ter novos equipamentos para automatizar a separação de correio e encomendas na estação de tratamento postal de Cabo Ruivo, em Lisboa. Os CTT dão mais um passo no plano de modernização e investimento de toda a rede postal e logística, avaliado em 40 milhões de euros.
Comentários