Cerca de 1.800 judeus sefarditas obtiveram nacionalidade portuguesa em 2017

Registou-se um aumento de 600% nos processos aprovados em comparação com 2016, o primeiro ano de vigência da lei que permite aos descendentes de judeus sefarditas (expulsos de Portugal no século XVI) requererem a nacionalidade portuguesa. Há mais 12 mil pedidos já entregues e em fase de avaliação.

Cerca de 1.800 descendentes de judeus sefarditas adquiriram a nacionalidade portuguesa em 2017, beneficiando de uma lei que entrou em vigor dois anos antes. De acordo com a publicação “Forward” (ligada à comunidade judaica nos EUA), acrescem 12 mil pedidos já entregues e que estão em fase de avaliação pelas autoridades portuguesas.

O número de pedidos aprovados em 2017 representa um aumento de 600% em comparação com o primeiro ano de vigência da lei. “Nesse ano, a aplicação da nova lei colidiu com obstáculos burocráticos e mudanças políticas”, salienta a “Forward”.

A lei em causa deriva da perseguição e expulsão de judeus no âmbito da Inquisição, com início no século XVI, e surge integrada num conjunto de iniciativas legislativas “para reforçar os laços de Portugal com a comunidade judaica” e “reconhecer a sua herança judaica”, explica a mesma publicação.

Na vizinha Espanha há um processo similar em desenvolvimento, aprovado na mesma altura, que concedeu a nacionalidade a mais de 5.000 descendentes de judeus no total. O artigo da “Forward” faz também referência ao turismo em Portugal e à construção de um novo museu judaico em Lisboa que deverá abrir em 2019.

Relacionadas

Benjamin Netanyahu: “Jerusalém é a capital de Israel, ninguém o pode negar”

“Torna possível a paz porque reconhece a realidade e a substância da paz”, declarou o primeiro-ministro israelita esta segunda-feira, em Bruxelas, antes do encontro com os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.
Recomendadas

Covid-19: Incidência baixa na Alemanha mas mortes sobem ao nível de fevereiro

A taxa acumulada de internamentos hospitalares em sete dias na Alemanha é de 5,45 por 100 mil habitantes e a ocupação de pacientes com Covid-19 nos cuidados intensivos é de 22,1% das camas disponíveis em unidades disponíveis para a população adulta.

Austrália junta-se aos EUA no boicote diplomático aos Jogos Olímpicos de Inverno na China

Grupos de direitos humanos têm pressionado um boicote total aos Jogos de Inverno de Pequim, acusando a China de abusos de direitos contra minorias étnicas.
Comentários