Cereais sobem, açúcar e produtos lácteos baixam no mundo, diz FAO

Os preços internacionais dos alimentos mantiveram-se estáveis em dezembro, segundo o índice da FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. A alta dos cereais foi compensada pela queda do açúcar e dos produtos lácteos.

Os preços internacionais dos alimentos mantiveram-se relativamente estáveis em dezembro, com a alta dos cereais a ser compensada pela queda do açúcar e dos produtos lácteos. O índice de preços dos alimentos da FAO –  Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura registou  uma média de 161,7 pontos no último mês do ano, que compara com  161,6 pontos em novembro.

O índice da FAO serve como indicador da variação mensal dos preços de um cabaz que compreende os principais produtos alimentares mundiais.

Em 2018, o índice ficou nos 168,4 pontos, o que representa uma queda de 3,5% face a 2017 e 27% abaixo do seu nível mais alto registado em 2011.

Enquanto os preços internacionais de todos os principais cereais subiram no último ano, os dos demais alimentos supervisionados caíram, sendo o do açúcar o que mais caiu.

Em concreto, o índice de preços dos cereais da FAO aumentou 1,8% em dezembro face novembro e 9,6% em relação a dezembro de 2017. Os preços do trigo e do milho subiram devido às condições metereológicas adversas no Hemisfério Sul, enquanto os preços do arroz caíram pelo sexto mês consecutivo.

No último mês de 2018, o índice de preços dos óleos vegetais também subiu (0,4%), encerrando dez meses consecutivos de queda, com a retoma dos preços do óleo de palma. Os preços internacionais do óleo de soja continuaram caindo, devido aos grande ‘stock’ dos Estados Unidos e à fraca procura da União Europeia.

O preço da carne da FAO teve um aumento de 0,8% no mês passado. O principal impulso dado ao índice deveu-se à recuperação dos preços da carne de porco, suportados pela forte procura mundial do produto sobretudo o de origem brasileira.

O índice de preços dos produtos lácteos da FAO caiu 3,3% em dezembro na comparação com novembro, no que foi a sua sétima queda mensal sucessiva. A queda deveu-se à baixa dos preços  da manteiga, queijo e leite em pó integral.

Por sua vez, o índice de preços do açúcar caiu 1,9% em dezembro, em parte devido ao aumento da produção de açúcar na Índia e em parte devido à queda dos preços internacionais do petróleo, que diminuíram a procura de cana de açúcar para a produção de etanol, enquanto aumentaram os fornecimentos para a produção de açúcar, em especial no Brasil, o maior produtor mundial.

 

Ler mais
Recomendadas

“Queremos comida”, gritam centenas na cidade da Beira após ciclone que atingiu Moçambique

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país até hoje sem energia.

Presidente executivo do Novo Banco é ouvido hoje no Parlamento

O presidente executivo do Novo Banco é hoje ouvido na Assembleia de República, na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no âmbito do requerimento apresentado pelo grupo parlamentar do PSD.

Reforma da supervisão financeira: Banco de Portugal diz que causas de exoneração previstas “constituem um limite à independência”

O Banco de Portugal defende que os “membros do conselho de administração devem ser inamovíveis, como garantia contra influências externas sobre a sua capacidade de tomada de decisão”. O supervisor destaca que a “introdução de eventuais especificidades nacionais” na reforma da supervisão financeira “causa dúvidas interpretativas e de aplicação”, argumenta o Banco de Portugal, apontando que a “previsão expressa de causas de exoneração (…) vai ao arrepio da linha que tem sido seguida pelo BCE”.
Comentários