Cereais sobem, açúcar e produtos lácteos baixam no mundo, diz FAO

Os preços internacionais dos alimentos mantiveram-se estáveis em dezembro, segundo o índice da FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. A alta dos cereais foi compensada pela queda do açúcar e dos produtos lácteos.

Os preços internacionais dos alimentos mantiveram-se relativamente estáveis em dezembro, com a alta dos cereais a ser compensada pela queda do açúcar e dos produtos lácteos. O índice de preços dos alimentos da FAO –  Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura registou  uma média de 161,7 pontos no último mês do ano, que compara com  161,6 pontos em novembro.

O índice da FAO serve como indicador da variação mensal dos preços de um cabaz que compreende os principais produtos alimentares mundiais.

Em 2018, o índice ficou nos 168,4 pontos, o que representa uma queda de 3,5% face a 2017 e 27% abaixo do seu nível mais alto registado em 2011.

Enquanto os preços internacionais de todos os principais cereais subiram no último ano, os dos demais alimentos supervisionados caíram, sendo o do açúcar o que mais caiu.

Em concreto, o índice de preços dos cereais da FAO aumentou 1,8% em dezembro face novembro e 9,6% em relação a dezembro de 2017. Os preços do trigo e do milho subiram devido às condições metereológicas adversas no Hemisfério Sul, enquanto os preços do arroz caíram pelo sexto mês consecutivo.

No último mês de 2018, o índice de preços dos óleos vegetais também subiu (0,4%), encerrando dez meses consecutivos de queda, com a retoma dos preços do óleo de palma. Os preços internacionais do óleo de soja continuaram caindo, devido aos grande ‘stock’ dos Estados Unidos e à fraca procura da União Europeia.

O preço da carne da FAO teve um aumento de 0,8% no mês passado. O principal impulso dado ao índice deveu-se à recuperação dos preços da carne de porco, suportados pela forte procura mundial do produto sobretudo o de origem brasileira.

O índice de preços dos produtos lácteos da FAO caiu 3,3% em dezembro na comparação com novembro, no que foi a sua sétima queda mensal sucessiva. A queda deveu-se à baixa dos preços  da manteiga, queijo e leite em pó integral.

Por sua vez, o índice de preços do açúcar caiu 1,9% em dezembro, em parte devido ao aumento da produção de açúcar na Índia e em parte devido à queda dos preços internacionais do petróleo, que diminuíram a procura de cana de açúcar para a produção de etanol, enquanto aumentaram os fornecimentos para a produção de açúcar, em especial no Brasil, o maior produtor mundial.

 

Recomendadas

Crise dos combustíveis deverá levar a subida de preços dos serviços até 15% em Portugal

O ajustamento em alta acumula-se ao aumento dos preços na ordem dos 5%, atribuído à retoma económica e ao crescimento da procura no período de desconfinamento em Portugal.

OE2022. UTAO alerta para riscos associados à pandemia e regras de Bruxelas

A unidade técnica lembra que as regras orçamentais de Bruxelas foram suspensas na sequência da pandemia, mas um levantamento desta suspensão pode significar que a “consolidação que não se faça nas condições menos exigentes de 2022 terá que ser feita com menos graus de liberdade em 2023 e anos seguintes”.

Financiamento das administrações públicas recua em agosto para 6,2 mil milhões de euros

Este valor em agosto resulta do financiamento em 11,7 mil milhões junto dos bancos residentes, que é compensado pelas rubricas relativas à relação com o restante sector financeiro e com o exterior, em que as administrações públicas nacionais são financiadoras em 3,4 e 2,1 mil milhões de euros, respetivamente.
Comentários