Certificação ambiental torna os Açores um destino incontornável para os voos sustentáveis

A British Airways já incluiu duas novas rotas para os Açores, que serão inauguradas no verão de 2022, devido ao interesse do arquipélago ter sido certificado como destino sustentável, o que facilita a conquista das metas de neutralidade carbónica propostas pelas companhias de aviação.

Começou a guerra das transportadoras aéreas pela sustentabilidade dos voos, separando o designado “green wash” – a “lavagem verde”, que constitui maioritariamente marketing promocional –, dos projetos estruturados e sérios, nos quais os Açores se destacam como um dos primeiros arquipélagos certificados como destino sustentável. Desde o recurso ao hidrogénio, até à utilização dos combustíveis menos poluentes e mais renováveis, como os Sustainable Aviation Fuel (SAF), passando pela aposta nos referidos destinos sustentáveis, tudo se torna relevante para classificar as companhias aéreas como empresas neutrais em termos das respetivas emissões de carbono.

Neste enquadramento, a British Airways (BA), do Grupo AIG, a que pertence a espanhola Ibéria, lançou duas novas rotas para o Açores – uma para São Miguel e outra para a Terceira –, como forma de apostar em destinos mais sustentáveis que lhe permitam alcançar, até 2050, a neutralidade em emissões de carbono, uma meta que também inclui os voos que utilizem o hidrogénio como combustível e que, neste caso, resultam de uma parceria com a ZeroAvia.

A BA informou que a sua decisão de voar para os Açores está relacionada com o facto deste arquipélago ter sido certificado como destino sustentável pela Earth Check, o que é decisivo para a BA conseguir realizar um voo perfeito, aferido pelos padrões da sustentabilidade – em linha com a sua nova estratégia que inclui a nova pintura azul que destaca as suas metas ambientais.

Para o efeito, a BA vai utilizar na rota de São Miguel uma aeronave Airbus A320 para Ponta Delgada e o primeiro voo está agendado para 2 de julho de 2022, com a frequência de um voo por semana, até 3 de setembro, sempre aos sábados. O voo BA 522 sairá de Londres Heathrow às 9h35 para aterrar no aeroporto de Ponta Delgada às 12h40 locais. O regresso será feito pelo voo BA 523, que sairá de Ponta Delgada às 13h35 para aterrar em Londres Heathrow às 18h25.

Na rota para a ilha Terceira, o primeiro voo está agendado para 10 de julho, recorrendo igualmente a um Airbus A320, e o último voo será realizado a 28 de agosto. Este voo será assegurado aos domingos, com o voo BA 420 a partir de London Heathrow às 7h55, para aterrar no aeroporto da ilha Terceira às 11h10. O regresso é feito pelo voo BA 421, que parte da Terceira às 12h10 para aterrar em London Heathrow às 17h05.

Na estratégia de aumentar a sustentabilidade dos seus voos a BA realiza um voo interno, Londres-Glasgow, que beneficia de parcerias entre os aeroportos de Heathrow, Glasgow, da NATS, da BP e da Airbus, tendo recorrido a combustíveis de aviação sustentáveis, com uma mistura de 35% do designado Sustainable Aviation Fuel (SAF).

Sobre este voo para Glasgow, a British Airways refere que reduziu as emissões de CO2 em 62%, comparativamente a voos semelhantes realizados em 2010, além de que atualmente tem 34% de aeronaves e operações mais eficientes, utiliza 28% de combustíveis de aviação sustentáveis.

Relacionadas

British Airways liga Londres a duas ilhas dos Açores no verão de 2022

A companhia britânica, que utilizará um avião A-320 Neo, com 180 lugares, ligará também o aeroporto de Heathrow ao aeroporto das Lajes, na ilha Terceira, aos domingos, entre 10 de julho e 28 de agosto, num total de oito frequências.

Portugal Ventures lança chamada para startups e PME ligadas aos Açores

A entidade que pertence ao Banco Português de Fomento tem uma nova ‘call’ para projetos nas fases pré-seed e seed, com atividade localizada nesta região autónoma.

Comissão Europeia aprova ajuda de Estado de 500 mil euros para os Açores

A medida será aberta a empresas de transporte coletivo de passageiros de todas as dimensões e tem como objetivo mitigar a escassez de liquidez com que estas se deparam e fazer face às perdas sofridas ao longo de 2021 devido ao surto da covid-19 e às medidas restritivas que o governo teve de aplicar para limitar a propagação do vírus.
Recomendadas

Metro de Lisboa assina contratos de financiamento de 554 milhões de euros para novas linhas até Alcântara e Odivelas

Os investimentos serão financiados a 100% pelo PRR – Plano de Recuperação e Resiliência e ambas as extensões da rede deverão estar concluídas até 31 de dezembro de 2025.

CEO da RealFevr: “Mercado dos ativos digitais irá multiplicar-se por 30, 40 ou 50 vezes nos próximos anos”

Fred Antunes, CEO da startup portuguesa RealFevr, destaca em entrevista ao JE a enorme oportunidade que este mercado representa: “aquilo que estamos a viver hoje foi o mesmo que experienciámos em 1997, 1998 e 1999 com o surgimento da Internet”.

Mediadores imobiliários querem mais profissionalização para enfrentar desafios do sector

APEMIP tem, entre outras prioridades, o lançamento de um portal imobiliário de referência no sector e que considera ser essencial para o segmento dos mediadores imobiliários.
Comentários