CFP: Receita dos impostos indiretos ficou abaixo da meta do Governo

O crescimento da receita fiscal (3,1%) deveu-se, exclusivamente, aos impostos indiretos e situou-se ligeiramente acima do objetivo anual estabelecido pelas Finanças para o conjunto do ano. Ainda assim, o ministério antecipava um aumento maior das receitas com impostos indiretos.

Cristina Bernardo

A receita total das administrações públicas registou um crescimento homólogo de 2,9% no primeiro semestre do ano, inferior ao previsto pelo Ministério das Finanças para o conjunto do ano (4,2%). O aumento foi explicado na quase totalidade pelo acréscimo da receita fiscal e contributiva (3,3%), segundo a análise do Conselho de Finanças Públicas, divulgada esta quinta-feira.

“O crescimento da receita fiscal (3,1%) deveu-se, exclusivamente, aos impostos indiretos e situou-se ligeiramente acima do objetivo anual estabelecido pelo MF para o conjunto do ano (3%). Destaca-se o desempenho da receita de IVA, cuja variação positiva de 4% foi responsável por cerca de 42% do crescimento da receita proveniente da tributação indireta”, explica o relatório.

No entanto, a receita dos impostos indiretos verificada até junho ficou abaixo do objetivo anual inscrito no Programa de Estabilidade 2018-2022 (de 4,8%).

As contribuições sociais cresceram 3,7%, em linha com o fortalecimento do mercado de trabalho, mas ficaram também aquém do crescimento previsto pelas Finanças para a globalidade do ano (4,2%).

“Este desempenho encontra-se penalizado pelas contribuições sociais imputadas, cujo decréscimo (-3,5%) reflete em parte a alteração do perfil de pagamento do subsídio de Natal nas administrações públicas, em contraste com as contribuições sociais efetivas que aceleraram o seu ritmo de crescimento no 2.o trimestre consolidando um crescimento no 1.o semestre (5,7%) acima do previsto para o conjunto do ano (4,9%)”, refere o CFP.

A receita não fiscal e não contributiva registou um crescimento homólogo de 0,5% no primeiro semestre. O aumento da receita com as licenças de emissão de carbono, auferida pelo Fundo Ambiental, explica parte do contributo das vendas para a evolução positiva da receita não fiscal e não contributiva nesse período. O desempenho das vendas foi suficiente para contrariar as reduções observadas quer na outra receita corrente, quer na receita de capital.

Medidas extraordinárias puxam pela despesa

“O excedente primário até junho atingiu 1.525 milhões de euros, o equivalente a 1,5% do PIB do semestre. Apesar de continuar a observar-se um excedente primário, o aumento da despesa primária, que inclui os fatores acima referidos, contribuiu para a sua redução em termos homólogos”, explica.

No que se refere à despesa, o ritmo de crescimento homólogo passou de 0,1% no primeiro trimestre para 2,7% no conjunto dos dois primeiros trimestres de 2018. Para esta evolução contribuiu sobretudo o aumento de capital no Novo Banco efetuado pelo Fundo de Resolução no segundo trimestre, o empréstimo concedido pela DGTF ao Fundo de Recuperação de Créditos “FRC- INQ – Papel Comercial ESI e Rio Forte”, na sequência da execução de garantias relacionadas com os “lesados do BES”.

Estas operações implicaram um impacto global de 913,4 milhões de euros nas transferências de capital, justificando assim grande parte do aumento ocorrido na despesa de capital no primeiro semestre (1.216 milhões de euros). A despesa corrente primária aumentou 82 milhões de euros e os encargos com juros diminuíram 216 milhões de euros, tendo atenuado o crescimento da despesa pública nos primeiros seis meses (2,7%).

“Decorrida metade do ano, o crescimento da despesa pública encontra-se abaixo do implícito no PE/2018 (que é 4,1% para o conjunto do ano) mas está influenciado pela alteração do modelo de pagamento do subsídio de Natal, que explica a redução das despesas com pessoal e com prestações sociais”, sublinha o relatório.

Ler mais
Relacionadas

Despesas extraordinárias representaram mais de metade do défice no primeiro semestre, diz o CFP

Recapitalização do Novo Banco, pagamentos por decisões judiciais, despesa extraordinária com incêndios e lesados do BES fizeram disparar o défice para 1,9% do PIB no primeiro semestre.

Défice de 0,7% do PIB este ano será cumprido, assegura Mário Centeno

“A trajetória que temos definida permite-nos dizer hoje que vamos cumprir a meta”, afirmou Centeno, em resposta aos jornalistas, no Ministério das Finanças, em Lisboa.

Teodora Cardoso: “Temos que pensar a organização do sistema para manter o acesso gratuito à saúde”

Presidente do Conselho de Finanças Públicas alertou para a necessidade de agregar informação sobre um setor, que considera “complexo”.
Recomendadas

Brexit: Parlamento britânico vota acordo em janeiro

O Parlamento britânico votará em janeiro o acordo do ‘Brexit’, que foi negociado entre o Reino Unido e a União Europeia (UE), após o adiamento da votação marcada para esta semana, anunciou hoje o Governo britânico.

BCE confirma: programa de compra de ativos termina no fim do mês

Após a reunião do Conselho de Governadores, o Banco Central Europeu explicou que mantém o plano para finalizar o programa de compra de dívida este ano. O foco passa agora para a conferência de imprensa de Mario Draghi às 13h30.

Adesão à greve no Centro Hospitalar Lisboa Ocidental chegou aos 100% nalguns serviços

A adesão à greve de hoje dos enfermeiros do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental chegou aos 100% na urgência pediátrica do Hospital São Francisco Xavier e no bloco de oftalmologia do Egas Moniz, segundo o sindicato.
Comentários