CGD: BdP avalia idoneidade de sete ex-gestores, incluindo o ex-governador António de Sousa

Entre os gestores que desempenharam funções na CGD entre 2000 e 2015 a ser avaliados pelo BdP estão ainda Vítor Fernandes e Jorge Cardoso (Novo Banco), João Nuno Palma (BCP), António Vila-Cova (Finantia), Maria João Carioca (CGD) e José Fernando Maia de Araújo (EuroBic).

Cristina Bernardo

O Banco de Portugal (BdP) está a avaliar a idoneidade de sete ex-gestores da Caixa Geral de Depósitos (CGD), atualmente em funções no setor financeiro, entre os quais o ex-governador  do supervisor António de Sousa, noticia o jornal Expresso na edição impressa deste sábado.

Tal como o Jornal Económico tinha noticiado na edição de 8 de fevereiro, o regulador bancário está a concentrar-se nos processos de avaliação de idoneidade de ex-gestores da Caixa que continuam ligados à banca e de outros que se queiram candidatar a novos cargos, após receber a auditoria da EY, em junho de 2018.

De acordo com o Expresso, entre os gestores que desempenharam funções na CGD entre 2000 e 2015 a ser avaliados pelo BdP, além de António de Sousa, estão Vítor Fernandes e Jorge Cardoso (Novo Banco), João Nuno Palma (BCP), António Vila-Cova (Finantia), Maria João Carioca (CGD) e José Fernando Maia de Araújo (EuroBic).

Esta avaliação de idoneidade está a ser feita com base nas conclusões da auditoria da EY que detetou perdas de 1.647 milhões de euros em 186 operações de crédito que acabaram por se revelar ruinosas. Um exame que visa verificar a responsabilidade de cada ex-gestor no processo de tomada de decisão e os pelouros que eram da sua responsabilidade.

Relacionadas

Criação de nova comissão de inquérito à gestão da Caixa aprovada no Parlamento

A iniciativa foi aprovada com o votos a favor do PS, PSD, CDS, BE e PAN e com a abstenção do PCP, PEV e do deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira.

Carlos Costa insiste: “Não existe qualquer conflito de interesses” na decisão de passar férias em Vale do Lobo

O Governador do Banco de Portugal reagiu à notícia do Jornal Económico desta sexta-feira que revela que Carlos Costa arrendou casa em resort de luxo, em 2013 e 2014, quando empreendimento já estava a falhar crédito da CGD. Um financiamento de 194 milhões de euros que teve a sua ‘luz verde’ quando foi administrador da Caixa e que veio a revelar-se ruinoso com perdas para o banco público de 228 milhões de euros.

Governador do Banco de Portugal pediu escusa de assuntos da Caixa Geral de Depósitos em novembro

O supervisor veio a público esta segunda-feira garantir que Carlos Costa não lida com “situações abrangidas pela auditoria” da EY à Caixa há três meses.

CGD vai precisar de contratar pelo menos três sociedades de advogados para avaliar responsabilidade de ex-gestores

Paulo Macedo admitiu que CGD vai trabalhar com três sociedades de advogados por causa de incompatibilidades que estes têm aqui e ali. Revelou duas que já contratou: Vieira de Almeida e Linklaters. Mas terá de haver uma terceira sociedade.

Carlos Costa escapa a exame de idoneidade a ex-gestores da Caixa

Banco de Portugal está a avaliar a responsabilidade de ex-gestores da Caixa nas decisões dos negócios ruinosos do banco público. Carlos Costa é atualmente governador do Banco de Portugal e foi administrador da Caixa entre 2004 e 2006.
Recomendadas

EuPago regista perdas de operações de mais de 100 mil euros com suspensão temporária do MB Way

Segundo a empresa que executa pagamentos eletrónicos em Portugal, os comerciantes deixaram de receber um volume de pagamentos superior a 100 mil euros, por causa da suspensão temporária do meio de pagamento MBWay.

Comissão Europeia previu que no melhor cenário as perdas do Novo Banco com ativos do BES seriam entre 3 e 4 mil milhões

A Comissão Europeia, no documento publicado no início de 2018, revela, no ponto 224, a sua estimativa do custo da reestruturação do Novo Banco, e portanto do uso do Mecanismo de Capitalização Contingente (CCA), que “no melhor cenário” seria entre 3 e 4 mil milhões de euros. Sobre o EuroBic diz que o Novo Banco ainda está impedido de fazer aquisições, mas no futuro deve procurar operações que criem valor.

Presidente da sociedade que tem 75% do Novo Banco estava no Deutsche Bank quando assessorou o Banco de Portugal na venda

O presidente da Nani Holding que é dona de 75% do Novo Banco, frisou que entrou só em 2019, dois anos e meio depois de ter sido assinado a venda do banco liderado por António Ramalho, em 2017.
Comentários