CGD e Saphety disponíveis para adiantar verbas a empresas a partir das faturas eletrónicas emitidas a clientes

Banco estatal e a Saphety vão oferecer ‘factoring’ digital às empresas. Através de faturas eletrónicas emitidas a clientes, as empresas poderão requerer à CGD que antecipe as verbas devidas pelos clientes das empresas. Posteriormente, esses clientes terão de pagar a fatura à CGD e não à empresa em causa.

REUTERS/Jose Manuel Ribeiro

Numa altura em que o tecido empresarial português procura maximizar a liquidez das empresas em plena pandemia, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e a Saphety disponibilizam ‘factoring’ digital na faturação eletrónica. Ou seja, as empresas podem vender à CGD as faturas eletrónicas emitidas aos seus clientes, que o banco antecipa o valor faturado. Posteriormente, os clientes das empresas ficam em dívida com o banco e não com a empresa em causa.

Desta forma, em pleno contexto pandémico e de limitações na geração de receitas, é disponibilizado às empresas nacionais um mecanismo que permite assegurar liquidez no curto prazo. Como o serviço relaciona o factoring com a fatura eletrónica, todo o prcesso é automatizado, desde a “eliminação da carga administrativa inerente ao processo de cobrança de faturas, o aumento do poder negocial junto dos clientes e racionalização da gestão de tesouraria à redução de prejuízos com incobráveis”, segundo um comunicado da CGD e Saphety divulgado esta quarta-feira, 27 de janeiro.

O banco estatal e a multinacional de origem portuguesa referem que o serviço está disponível desde o início de janeiro, permitindo às “empresas clientes receber adiantamentos de fundos no prazo máximo de um dia útil, a partir das suas faturas eletrónicas”.

“Esta solução vem ajudar na gestão da tesouraria das empresas, possibilitando receber antecipadamente o valor de faturas de forma ágil e através de um processo totalmente digital”, lê-se.

O serviço é disponibilizado na Flexcash, uma plataforma de gestão de tesouraria desenvolvida com diferentes modalidades de antecipação ou financiamento de faturas – o confirming digital e o factoring digital – que é fruto da parceria da CGD com a Saphety.

Para o presidente executivo da Saphety, Rui Fontoura, o serviço ajuda a equilibrar a gestão da cobrança de faturas e a gestão de tesouraria, ambos fundamentais  para uma saudável gestão da relação dos clientes.

“Na situação atual de pandemia, em que a tesouraria das empresas está ainda mais pressionada, a solução de Factoring digital da Saphety, em parceria com a Caixa Geral de Depósitos, vem criar novas possibilidades de obtenção de liquidez e agilizar os processos associados, com ganhos de eficiência e produtividade para todos”, afirma no comunicado.

Ler mais
Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

PremiumBloco de Esquerda questiona Novo Banco no Eurobic

Bloquistas perguntam ao Ministério das Finanças sobre a operação e o seu impacto.
Comentários