CGD obtém autorização para alienar ações do Mercantile Bank ao Capitec Bank

Alienação de 100% do capital do Mercantile Bank deverá estar concluído no próximo mês e deverá render 192 milhões de euros ao banco público.

REUTERS/Jose Manuel Ribeiro

A Caixa Geral de Depósitos informou, via CMVM, que obteve a aprovação por parte das autoridades da África do Sul para alienar as ações representativas de 100% do capital social da Mercantile Bank Holdings Limited ao Capitec Bank Limited.

“Esta declaração conclui o processo de aprovação, por parte das autoridades competentes, da venda daquela subsidiária, do qual tinha sido dado nota
nas comunicações ao mercado efetuadas pela CGD em novembro de 2018. De acordo com o contratado, o processo de alienação deverá estar concluído durante o mês de novembro de 2019”, informa o banco público.

A participação na Mercantile será alienada por um preço global de 3.200 milhões de rands sul-africanos, cerca de 192 milhões de euros (considerando uma taxa de câmbio EUR/ZAR de 16,7). Esta transação terá um impacto patrimonial positivo estimado em cerca de 60 milhões de euros.

Valor de venda está sujeito a ajustamentos decorrentes da variação patrimonial (Net Asset Value) da Mercantile entre a data de referência estabelecida no acordo de venda direta (30 de abril de 2018) e o último dia do segundo mês anterior à respetiva data da sua efetiva alienação, bem como a ajustamentos decorrentes da variação cambial, pelo que o impacto patrimonial final para a CGD só será conhecido após a conclusão do processo de alienação.

Recomendadas

Moody’s defende que BCE admite a criação de um ‘bad bank’ se o malparado disparar

A Moody’s dá nota positiva à criação de um ‘bad bank’ para absorver crédito malparado a nível europeu numa situação de prolongamento da crise e consequente aumento do volume de NPL (non-performing loans), que foi admitido pelo BCE.

PremiumAbanca decide até 31 de maio a compra do EuroBic

Preço final a pagar pelo Abanca pela compra do Eurobic continua a arrastar as negociações. Dia ‘D’ é 31 de maio, mas prazo poderá ser adiado.

Qual o futuro do dinheiro? Gerir, pagar e receber online, dizem especialistas

Se os cartões sem contacto já são uma realidade para muitos portugueses o mesmo não se pode dizer dos métodos de pagamento com dados biométricos ou através de acessórios, como anéis. No entanto, a pandemia veio mudar a visão dos mais céticos.
Comentários