CGTP considera que acórdão do Constitucional sobre alterações laborais é “muito insuficiente

O acórdão, conhecido na segunda-feira, “é muito insuficiente pois apenas declara a inconstitucionalidade do alargamento do período experimental para os trabalhadores à procura do primeiro emprego que já tenham tido um contrato de trabalho com a duração de pelo menos 90 dias”, critica a intersindical em comunicado.

MÁRIO CRUZ/LUSA

A CGTP considerou hoje o acórdão do Tribunal Constitucional (TC) sobre as alterações ao Código do Trabalho “muito insuficiente”, defendendo no entanto que a decisão sinaliza a “fragilidade constitucional” do alargamento do período experimental.

O acórdão, conhecido na segunda-feira, “é muito insuficiente pois apenas declara a inconstitucionalidade do alargamento do período experimental para os trabalhadores à procura do primeiro emprego que já tenham tido um contrato de trabalho com a duração de pelo menos 90 dias”, critica a intersindical em comunicado.

A CGTP considera porém que a declaração de inconstitucionalidade sobre esta norma específica, “ainda que limitada, não deixa de constituir um sinal indicativo da fragilidade constitucional” do alargamento “excessivo” da duração do período experimental.

O alargamento do período experimental de 90 para 180 dias que entrou em vigor em 2019 foi considerado constitucional para trabalhadores indiferenciados à procura do primeiro emprego ou desempregados de longa duração, tendo sido declarado inconstitucional apenas para quem procura o primeiro emprego mas já tenha sido contratado a termo pelo menos durante 90 dias.

“Embora discordando do acórdão do TC na parte em que não declara a inconstitucionalidade de toda a norma sindicada […], a CGTP-IN considera esta declaração de inconstitucionalidade positiva, devendo ser executada de imediato”, lê-se no comunicado.

A central sindical lamenta, contudo, que a decisão do TC “deixe para trás, em situação de especial vulnerabilidade, muitos outros trabalhadores”.

Para a CGTP, os argumentos desenvolvidos no acórdão em defesa da conformidade constitucional do período experimental “são sobretudo de ordem política e económica e não estritamente jurídico-constitucional” já que incluem “algumas teses defendidas no âmbito da União Europeia, a análise das políticas de emprego prosseguidas pelo Governo, o facto de a alteração da norma em apreciação ter resultado de um acordo de concertação social subscrito pela maioria dos parceiros sociais e até a opinião expressa pelo Presidente da República aquando da promulgação da lei”.

“É responsabilidade do Governo do PS e do Presidente da República o despedimento de milhares de trabalhadores, principalmente jovens, que viram os seus contratos chegar ao fim durante a pandemia por se encontrarem no período experimental de 180 dias”, acusa a CGTP.

Por sua vez, continua, “a situação dos desempregados de longa duração é totalmente desconsiderada, uma vez que o acórdão não se detém na apreciação desta situação específica, assimilando-a à situação dos trabalhadores à procura do primeiro emprego”.

A intersindical considera ainda que os juízes deram “uma justificação genérica” sobre a apreciação do regime aplicável aos contratos a termo de muito curta duração, que com as alterações deixam de ficar limitados ao setor do turismo e agricultura.

Já sobre a caducidade por extinção de associação patronal ou sindical, “o Tribunal Constitucional é também genérico e circunstancial, ignorando toda a história de luta que esteve na base do que é hoje o direito de contratação coletiva, da sua importância histórica e social para os trabalhadores e para o progresso social”, afirma a CGTP.

A CGTP salienta ainda que “a divisão que as matérias em apreciação suscitaram entre os membros do Tribunal Constitucional releva a necessidade de uma análise mais aprofundada e consubstanciada em prática jurídica e judicial, que forneça argumentos materiais válidos”.

O acórdão do TC conhecido na segunda-feira apreciou um pedido de fiscalização sucessiva sobre algumas normas do Código do Trabalho, feito por 35 deputados do BE, PCP e PEV em setembro de 2019.

Recomendadas

União Europeia perde processo contra Astrazeneca para fornecimento de mais vacinas

Segundo a decisão mais recente, a farmacêutica anglo-sueca deve entregar 15 milhões de doses até 26 de julho, outras 20 milhões até 23 de agosto e outras 15 milhões até 27 de setembro.

Empresário luso-angolano avança para tribunal sueco para anular apreensão de bens e prisão preventiva

Carlos São Vicente, dono do grupo AAA, instaurou um processo contra o Estado de Angola, no Tribunal Arbitral de Estocolmo, para anular a apreensão de bens e a prisão preventiva decretada pela justiça angolana.

Banco de Portugal diz que Novo Banco Espanha pode ainda ser absolvido pelo Supremo espanhol

Em causa está um processo que foi intentado em 2015 contra o Novo Banco Espanha por uma cliente espanhola do BES Espanha que em 2008 comprou ao balcão ações de um banco islandês que faliu logo a seguir. Há uma decisão do Tribunal de Justiça Europeu desfavorável ao Novo Banco Espanha. BdP defende que “as conclusões do TJUE não serão aplicáveis aos processos que correm nos tribunais portugueses”.
Comentários