CGTP diz que Governo está a “atacar e limitar o direito do exercício de greve” com serviços mínimos

“A CGTP discorda do despacho do governo sobre os serviços mínimos, nomeadamente os fundamentos que são susceptíveis de ser utilizados de forma mais geral para pôr em causa um direito que é conquista do 25 de Abril e que a Constituição da República consagra como fundamental”, afirma a CGTP. A FECTRANS, afeta à CGTP, não vai aderir à greve de 12 de agosto.

Cristina Bernardo

O Governo declarou na quarta-feira serviços mínimos na ordem dos 50% e também o estado de crise energética para a greve dos motoristas de combustíveis que arranca a 12 de agosto. Após críticas por parte dos sindicatos que afirmam ter direito à greve, a CGTP sustenta que o “direito à greve é um direito constitucional a garantir”.

“A CGTP discorda do despacho do governo sobre os serviços mínimos, nomeadamente os fundamentos que são susceptíveis de ser utilizados de forma mais geral para pôr em causa um direito que é conquista do 25 de Abril e que a Constituição da República consagra como fundamental”, lê-se no comunicado enviado às redações.

Recorde-se que a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), afeta à CGTP, não vai aderir à greve marcada para 12 de agosto pelo  Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM).

Além da greve dos motoristas de matérias perigosas, a CGTP menciona ainda a greve dos enfermeiros que parou alguns blocos operatórios dos hospitais, sendo temas que “alimentaram uma intensa campanha para atacar e limitar o direito do exercício de greve”, “independentemente da justeza das reivindicações dos trabalhadores”.

Por o Governo ter decretado 10% mais de serviços mínimos do que em abril, e tendo em conta as características da greve que foi anunciada, como “o tempo indeterminado da sua duração”, a CGTP declara que estes serviços mínimos “são máximos” e que estes “limitam o exercício desse direito [à greve] pelos trabalhadores do setor”.

Recomendadas

Receita fiscal sobe para 47.408 milhões de euros

Em ano de excedente orçamental, o Governo espera receber mais 1.276 milhões de euros do que em 2019. As receitas do IVA continuam a representar a principal fatia dos 26.878 milhões de euros estimados para os impostos indirectos.

Orçamento com poucas alterações

Para as famílias portuguesas, e em matéria de IRS, a Proposta de Lei do OE 2020 não contempla alterações com um impacto significativo.

Jaime Esteves: “Dedução fiscal para jovens que saem de casa dos pais tem impacto pequeno”

O fiscalista Jaime Esteves defende que o agravamento sucessivo da tributação do alojamento local é um dos problemas da política fiscal e que Portugal pode matar a ‘galinha dos ovos de ouro’ da recuperação económica.
Comentários