CGTP: Para ter estabilidade política é preciso dar “resposta aos problemas dos trabalhadores, reformados e jovens”

Arménio Carlos e uma comitiva da CGTP esteve reunida com António Costa e mencionou a necessidade de encontrar respostas para os problemas dos trabalhadores, reformados e jovens.

A Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) avisou esta quinta-feira o primeiro-ministro indigitado, António Costa, que para haver estabilidade política no país é preciso endereçar vários problemas que afetam trabalhadores, reformados e jovens.

[O primeiro-ministro] “também está interessado em encontrar soluções para se resolver os problemas. Na nossa opinião, mais do que, apenas e só, falar na importância da instabilidade do país, essa instabilidade será tanto mais rápida e mais profunda, quanto mais rapidamente se der resposta aos problemas concretos dos trabalhadores, dos reformados e dos nossos jovens”, afirmou o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos.

Em relação à lei do trabalho, Arménio Carlos referiu que “o primeiro-ministro não avançou com nenhuma questão sobre essa matéria, ficou com um conjunto de exemplos que demonstram que aquilo que está em marcha em termos da legislação do trabalho é para acentuar a precariedade”.

De resto, o secretário-geral da CGTP salienta que “hoje continuamos a ter centenas de milhares de trabalhadores, nomeadamente jovens, que estão há cinco, 10, 20 anos no mercado de trabalho, que dizem que nunca conheceram outro contrato de trabalho que não fosse com vínculo precário”.

Arménio Carlos deu o exemplo dos call centers, “onde grande parte destes trabalhadores pertencem a empresas de trabalho temporário para fazer um serviço permanente”, acrescentando que se “a própria designação confirma que têm de fazer um trabalho temporário, como é que fazem um trabalho permanente há anos e anos?”, questionou o secretário-geral da CGTP.

Relacionadas

António Costa reúne-se hoje com os parceiros sociais

O secretário-geral do PS reúne-se hoje com os parceiros sociais na sede do partido, em Lisboa, após a ronda que fez com as forças parlamentares de esquerda (BE, PCP, PEV e Livre) e com o PAN.

CGTP avisa Governo para não subestimar os sindicatos

Arménio Carlos afirmou que no dia 1 de outubro, a poucos dias das eleições, haverá forte contestação à entrada em vigor das alterações à lei laboral.

CGTP quer aumento salarial de 90 euros para “todos os trabalhadores” em janeiro de 2020

O aumento de 90 euros é o primeiro passo da CGTP-IN rumo ao aumento do SMN para os 850 euros, algo que Arménio Carlos defende ser um objetivo sem “limite temporal”. “Mas temos um objetivo: que os 850 euros sejam concretizados no menor espaço de tempo”, acrescenta.
Recomendadas

Dia internacional da gaguez: “Vou passar o dia a gaguejar em modo comemoração”, diz Joacine Katar Moreira

A deputada eleita pelo Livre colocou a gaguez na ordem do dia em Portugal. O seu partido vai pedir ao Parlamento para conceder tolerância de tempo à deputada, invocando um “tratamento igualitário e igualdade de oportunidades” para expor as suas ideias.

Tribunal Constitucional rejeita pedido do PSD sobre votos nulos da emigração

A tomada de posse da Assembleia da República e do Governo pode acontecer ainda esta semana.

Negrão diz que Rio como líder do partido e da bancada é “boa solução a curto prazo”

O líder parlamentar cessante considera que a decisão do atual presidente do PSD, Rui Rio, em acumular a liderança do partido com a do grupo parlamentar não é uma boa solução a longo prazo, mas vai permitir uma oposição “acutilante” no curto prazo.
Comentários