PremiumCGTP vai insistir no aumento dos salários e revisão da lei laboral

Aumento do salário mínimo para 850 euros e generalização do horário de trabalho semanal de 35 horas são prioridades da CGTP no próximo mandato, a par com o combate à precariedade laboral.

As linhas de ação da CGTP para o próximo mandato já foram definidas, apesar de a atual comissão executiva dar lugar a outra neste fim de semana. A luta por melhores salários e a revisão da legislação laboral são algumas das prioridades definidas pela atual comissão executiva da CGTP para a nova secretária-geral, Isabel Camarinha, numa tentativa de manter a estratégia, apesar das características e a forma de dinamizar a atividade sindical poderem sofrer alterações.

Segundo Arménio Carlos, são seis os eixos estratégicos que vão orientar a ação futura da central intersindical: melhores salários, revisão da legislação laboral, combate à precariedade, horários de trabalho mais justos, liberdade sindical e melhores serviços públicos. “Há aqui um período de transição, mas a CGTP continuará a pautar a sua intervenção pelos mesmos moldes, como base no respeito pelos seus princípios e pelos trabalhadores”, explica ao JE.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumArménio Carlos: “Patrões estão abaixo da média em termos de formação”

Secretário-geral da CGTP, a dias de deixar o cargo, diz que os aumentos propostos pelo Governo aos funcionários públicos “não são admissíveis” e que muitas empresas dependem dos salários baixos.
Recomendadas

Vendas dos lojistas com quebras de 37% face a 2019. Em Lisboa, a redução é superior a 40%

Por sector de atividade, a restauração continua a ser o setor mais afetado, com a descida das vendas a registar 49,1%, o sector de retalho 34,3% e o sector de serviços 38,5%.

DBRS prevê deterioração dos ativos da banca portuguesa em 2021

A agência DBRS prevê uma deterioração “mais pronunciada” da qualidade dos ativos da banca portuguesa em 2021, dada a flexibilização das moratórias, dos empréstimos com garantia do Estado e de outros apoios públicos relacionados com a pandemia.

Espanha prepara apoio extraordinário a quem já esgotou subsídio de desemprego

O Governo e os parceiros sociais espanhóis negociam um subsídio especial de 430 euros para quem esgote os apoios a que tem direito, bem como uma nova fórmula de cálculo para trabalhadores em layoff de trabalhos part-time
Comentários