Chamadas de telemarketing estão a cansar os portugueses

No ano passado, as reclamações no Portal da Queixa contra as chamadas de telemarketing aumentaram 178% comparativamente a 2015.

Brian Snyder/Reuters

Os portugueses têm apresentado cada vez mais reclamações em relação às chamadas que recebem e as quais não esperavam: os telefonemas associados a práticas comerciais de telemarketing. No período de um ano, os protestos no Portal da Queixa praticamente triplicaram.

No ano passado, as reclamações contra as chamadas de telemarketing nesta plataforma online, que liga os consumidores às empresas, aumentaram 178% comparativamente a 2015. Ao “Jornal de Notícias”, a Proteção de Dados (CNPD) reconheceu que existe a tendência de crescimento no número de queixas.

“Primeiro, as pessoas queixavam-se dos emails promocionais. Agora, a área do telemarketing suscita mais queixas”, esclarece Clara Guerra, porta-voz da CNPD, ao JN.

O Portal da Queixa totaliza 637 reclamações sobre este tipo de chamadas só em 2016, o que corresponde a aproximadamente duas por dia. Em 2016, a atividade dos “call centers” prevê receitas de 540 milhões de euros, uma subida de 2% face a 2015, revela o mais recente estudo ‘Setores Portugal Call Centers’, publicado no final de janeiro pela Informa D&B.

O ano de 2015 registou receitas no valor de 530 milhões de euros, um crescimento de 3,5% face a 2014. Quanto aos serviços de atendimento telefónico, o montante rondou os 347 milhões de euros, representando dois terços da faturação total. O estudo revela que as cinco principais empresas do setor detêm uma quota de mercado conjunta superior a 70%.

Recomendadas

Dispensa de medicamentos em farmácia hospitalar representa custo anual de 199 milhões de euros

Em média, cada doente desloca-se 7,6 vezes ao hospital por ano, para levantar medicamentos, sendo que cada ida ao hospital tem um custo de 14,30 euros para o utente, bem como a dispensa de 5 horas e 27 minutos.

Regresso das exportações é essencial, defende secretário de Estado da Internacionalização

O secretário de Estado da Internacionalização, Brilhante Dias, coloca as exportações e a captação de investimento estrangeiro como irreversíveis para a recuperação do país. Sem esses dois vetores, a economia fica em causa.

“Elaborámos um pacote que não é reivindicativo, mas é reivindicador”, afirma líder da CAP

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) falou na apresentação do ‘Ambição Agro 2020-30’, o plano de recuperação da atividade económica nacional da CAP que decorre esta quinta-feira no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.
Comentários