Chega testa aproximação ao PSD e quer reunir com o CDS

“Disse o dr. Rui Rio que admitia conversar para futuras pontes. Domingo é o dia para concretizar esses passos. Poderemos estar juntos na praça do Município”, lê-se na missiva que Ventura enviou a Rio.

Mário Cruz/Lusa

O de André Ventura convidou o presidente do PSD, Rui Rio, a participar na “contramanifestação” de direita que convocou para domingo, na baixa lisboeta: “Disse o dr. Rui Rio que admitia conversar para futuras pontes. Domingo é o dia para concretizar esses passos. Poderemos estar juntos na praça do Município e subir juntos a rua do Ouro, sinal de uma nova e revigorada direita que não se vergará aos interesses do sistema”, lê-se na missiva enviada pelo presidente demissionário do Chega ao líder social-democrata, à qual a Agência Lusa teve acesso.

André Ventura conclui o texto antecipando que “o futuro entre o Chega e o PSD pode começar no próximo domingo”. A concentração do Chega está marcada para a Praça do Município, seguindo-se uma “marcha lenta pelas ruas da baixa de Lisboa”, com passagem pela praça da Figueira e “término com intervenções públicas”, novamente no largo fronteiro à Câmara Municipal de Lisboa, a fim de haver “maior interação com os cidadãos”.

Esta concentração foi convocada depois do anúncio de várias manifestações antirracistas em Lisboa, Porto, Braga e Beja, homenageando o ator português Bruno Candé, assassinado a tiro no sábado passado, em plena rua de Moscavide.

A carta foi enviada depois de Rui Rio ter afirmado publicamente que entendia poder vir a estabelecer conversações com o Chega de André Ventura, na circunstância em que este partido de extrema-direira deixasse a área radical. A postura de Rio mereceu as maiores críticas da parte de vários comentadores – que alegam que o PSD de Rui Rio não deve em nenhuma circunstância ‘branquear’ as posições do Chega de André Ventura, o que sucederá se os social-democratas ‘derem a mão’ à extrema-direita.

Entretanto, também esta sexta-feira, o Chega solicitou ao presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, um encontro na próxima semana para “discutir eleições presidenciais” [de janeiro de 2021], segundo fonte da direção.

Recomendadas

António Costa sobre nomeação de José Guerra: “Procuradores amigos ou incómodos não são procuradores”

O primeiro-ministro garantiu, em debate no Parlamento, que a escolha de José Guerra foi “autónoma e independente” e que, ao contrário do PSD/CDS, o Governo propôs ao Parlamento uma alteração para que as nomeações para a Procuradoria Europeia deixassem de estar sob alçada do Ministério da Justiça.

Catarina Martins ouve de António Costa que “ainda não chegámos ao ponto” da requisição civil da saúde privada

Coordenadora do Bloco de Esquerda disse que as camas disponibilizadas pelos hospitais privados são “uma gota de água no meio de um tsunami” e voltou a exigiri que toda a capacidade instalada de saúde em Portugal fique “sob a alçada e articulação” do Serviço Nacional de Saúde.

António Costa avança com antecipação de mais de mil milhões de euros do Plano de Recuperação e Resiliência

Primeiro-ministro teve “esforço titânico do Governo” para injetar liquidez na economia elogiado pela líder parlamentar socialista Ana Catarina Mendes.
Comentários