China adia o mais importante evento anual da sua agenda política devido ao coronavírus

O Comité Permanente da 13.ª Assembleia Nacional Popular (ANP) aprovou uma proposta para adiar a sua sessão plenária, cujo início estava previsto para 5 de março.

O órgão máximo legislativo da China confirmou hoje o adiamento da sua sessão plenária, o mais importante evento anual da agenda política chinesa, numa altura em que o país enfrenta o surto do novo coronavírus Covid-19.

O Comité Permanente da 13.ª Assembleia Nacional Popular (ANP) aprovou uma proposta para adiar a sua sessão plenária, cujo início estava previsto para 5 de março.

Durante a sessão anual, que dura 10 dias, os quase três mil deputados, oriundos de todo o país, e eleitos por cinco anos, a partir das assembleias das diferentes províncias, regiões autónomas, municípios, regiões administrativas especiais e das forças armadas do país, estão encarregues de aprovar projetos de lei, o relatório do Governo ou o orçamento de Estado.

Constitucionalmente, a ANP é o “supremo órgão do poder de Estado na China”, mas cerca de 70% dos deputados são membros do Partido Comunista Chinês (PCC).

O número de mortos devido ao Covid-19 subiu hoje para 2.592 na China continental, e foram reportados 409 novos infetados, fixando o total no país em 77.150.

Recomendadas

Bernie Sanders confirma desistência: “Hoje suspendo a minha campanha. Foi uma decisão dolorosa”

Por ser o único candidato democrata que se mantém na corrida, o senador do Vermont assumiu o seu apoio a Joe Biden, que caracterizou como “um homem decente”.

Covid-19: Coface prevê maior número de insolvências de empresas desde 2009

A empresa especilizada na gestão de crédito prevê ainda recessões em 68 países (contra apenas 11 no ano passado), uma queda do comércio mundial de 4,3% este ano (após uma queda de -0,4% em 2019), e um aumento de 25% das insolvências de empresas a nível mundial (em comparação com a nossa previsão de Janeiro passado, que era de +2%).

“Uma prova real de compromisso”. Pedro Sánchez exige “solidariedade firme” da União Europeia

“A União Europa está a enfrentar uma guerra diferente do que aquelas que temos conseguido evitar nos últimos 70 anos: uma guerra contra um inimigo invisível que está a colocar o futuro da Europa à prova”, escreve Sánchez no ‘The Guardian’.
Comentários