PremiumChina compra dois terços do petróleo angolano

China importou dois terços do petróleo de Angola. Espanha foi o terceiro maior importador, à frente dos EUA, e Portugal foi o 8º maior comprador.

A China foi o maior importador de petróleo angolano em 2018, tendo comprado 64,82% do total das ramas produzidas no ano passado em Angola, segundo informação da Sonangol a que o Jornal Económico teve acesso. Em segundo lugar surge a Índia, com 10,72%, seguindo-se Espanha em terceiro lugar e os EUA em quarto lugar. Portugal ocupa a oitava posição entre os maiores compradores de petróleo angolano, com 2,95 milhões de barris de petróleo bruto importados em 2018.

Ao todo, Angola vendeu no mercado externo 198,025 milhões de barris de petróleo bruto em 2018, a um preço médio das ramas angolanas da ordem dos 70,709 dólares por barril, segundo informação da Sonangol, esclarecendo que o preço médio de referência utilizado em Luanda para as exportações das ramas angolanas foi o Brent cotado na Bolsa de Londres ao valor de 71,229 dólares por barril e subtraído do diferencial médio de 0,52 dólares por barril.

Artigo publicado na edição semanal de 9 de agosto, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumO advogado que ensinou gerações de estudantes de Direito

Com a fundação da Cuatrecasas/Gonçalves Pereira, o advogado protagonizou uma das mais importantes fusões da advocacia ibérica. Ao longo da carreira representou o país em organismos internacionais. Faleceu no passado dia 9 de setembro, aos 83 anos.

Premium“O que abunda na Assembleia da República é o centralismo”

Carlos Pereira diz que se “não existir consenso” entre os deputados da Madeira, com assento na Assembleia da República, torna-se difícil ou até mesmo impossível aprovar o que quer que seja.

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.
Comentários