PremiumChina compra dois terços do petróleo angolano

China importou dois terços do petróleo de Angola. Espanha foi o terceiro maior importador, à frente dos EUA, e Portugal foi o 8º maior comprador.

A China foi o maior importador de petróleo angolano em 2018, tendo comprado 64,82% do total das ramas produzidas no ano passado em Angola, segundo informação da Sonangol a que o Jornal Económico teve acesso. Em segundo lugar surge a Índia, com 10,72%, seguindo-se Espanha em terceiro lugar e os EUA em quarto lugar. Portugal ocupa a oitava posição entre os maiores compradores de petróleo angolano, com 2,95 milhões de barris de petróleo bruto importados em 2018.

Ao todo, Angola vendeu no mercado externo 198,025 milhões de barris de petróleo bruto em 2018, a um preço médio das ramas angolanas da ordem dos 70,709 dólares por barril, segundo informação da Sonangol, esclarecendo que o preço médio de referência utilizado em Luanda para as exportações das ramas angolanas foi o Brent cotado na Bolsa de Londres ao valor de 71,229 dólares por barril e subtraído do diferencial médio de 0,52 dólares por barril.

Artigo publicado na edição semanal de 9 de agosto, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumProjeto FORWARD tenta aproximar investigadores de decisores políticos

Lúcio Quintal, da ARDITI, destaca as potencialidades das Regiões Ultraperiféricas para a investigação e inovação, dado que podem servir de laboratórios.

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.

PremiumCarlos Zorrinho: “OE foi muito tático na forma como foi discutido e votado”

Eurodeputado eleito pelo PS entende que as abstenções do BE, PCP, PEV e Livre mostram vontade de continuar a negociar com o Governo. E defende uma transição digital e energética “mais justa” e concorda com propostas de redução do IVA da eletricidade.
Comentários