China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.

O mundo fala de “guerra comercial”, mas os temas críticos entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. Ainda na quarta-feira, após uma cimeira da NATO, Donald Trump fez questão de salientar que os países da Aliança Atlântica não irão continuar a desenvolver a relação com a Huawei.

O “Financial Times” noticiava, na edição de terça-feira, que a China está a tentar criar standards internacionais na área do reconhecimento facial que sejam adotados pela União Internacional de Telecomunicações (ITU). O objetivo da China é influenciar as economias em desenvolvimento de África, Ásia e Médio Oriente, regiões que não dispõem dos recursos técnicos ou financeiros necessários ao desenvolvimento de soluções próprias e por isso aderem normalmente aos standards da ITU. A Europa e América do Norte trabalham com outros organismos e arriscam-se a perder o momento de entrada a nível global.

A China tem mostrado especial interesse no desenvolvimento do reconhecimento facial em África, por ser tecnicamente mais exigente, e já instalou dezenas de milhares de câmaras em países como a África do Sul e o Uganda. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.

Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários