China revela capacidade para conter o coronavírus e Wall Street volta a sorrir

Na abertura da sessão desta terça-feira, o S&P 500 sobe 0,40%, para 3.256,76 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 0,60%, para 3.256,76 pontos e o industrial Dow Jones cresce 0,26%, para 28.609,25 pontos.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão desta terça-feira com um sentimento positivo depois de na véspera ter verificado os seus piores registos dos últimos quatro meses. O pano de fundo deste cenário crítico deveu-se ao surto do coronavírus pudesse afetar o crescimento económico global.

Contudo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) mostrou-se hoje confiante na capacidade da China em conter o surto do vírus, que matou 106 pessoas e levou as empresas a encerrar as suas operações e a restringir as viagens aéreas. “Alguns dos comentários da OMS e de outros consultores médicos estão a ajudar os mercados a recuperar o fôlego após o declínio de ontem, que foi exagerado”, referiu Peter Cardillo, chefe de economia de mercados da Spartan Capital Securities.

Na abertura da sessão desta terça-feira, o S&P 500 sobe 0,40%, para 3.256,76 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 0,60%, para 3.256,76 pontos e o industrial Dow Jones cresce 0,26%, para 28.609,25 pontos.

As autoridades da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed) vão reunir-se na primeira reunião de política do ano e os mercados não esperam que o banco central altere a sua taxa básica de juros no final da reunião na quarta-feira.

As ações da Harley-Davidson caíram 5,9% depois da empresa ter registado um declínio maior que o esperado na sua receita de motas. As ações da Xerox Holdings, conhecida pelas suas fotocopiadoras e impressoras, aumentaram 4,6% depois de reportarem lucro em 2020 acima das expectativas de Wall Street. Já a farmacêutica Pfizer caiu 2% depois de ter registado um lucro trimestral abaixo do esperado em vendas de medicamentos para o cancro de mama.

Recomendadas

Grupo EDP impulsiona bolsa de Lisboa

Na bolsa portuguesa, dez empresas cotadas valorizam e oito empresas desvalorizam.

Dúvidas sobre Luís Filipe Vieira travam OPA do Benfica

CMVM tem dúvidas quanto ao preço e aos conflitos de interesses do presidente da SAD e de José António dos Santos, avança o “Jornal de Notícias”.

Goldman lança fundo de ações de impacto ambiental global

O portfólio concentrar-se-á nas empresas que a equipe da sociedade gestora de ativos acredita que podem apoiar uma maior sustentabilidade ambiental e estão bem posicionadas para beneficiar da procura a longo prazo. Isto inclui empresas alinhadas e que seguem cinco temas ambientais principais: Energia limpa; eficiência de recursos; consumo e produção sustentáveis; economia circular e sustentabilidade da água.
Comentários