China suspende temporariamente uso de modelo de avião que caiu na Etiópia

As autoridades chinesas ordenaram esta segunda-feira a todas as companhias aéreas do país para que não usem temporariamente aviões Boeing 737 Max 8, após a queda de um avião na Etiópia que provocou a morte dos 157 ocupantes.

As autoridades chinesas ordenaram esta segunda-feira a todas as companhias aéreas do país para que não usem temporariamente aviões Boeing 737 Max 8, após a queda de um avião na Etiópia que provocou a morte dos 157 ocupantes.

A Administração da Aviação Civil da China esclareceu que a ordem se deve a preocupações com a segurança.

Trata-se do segundo acidetjente com aquele modelo no espaço de cerca de dois meses.

O primeiro ocorreu ao largo da costa da Indonésia, em circunstâncias semelhantes, em 29 de dezembro, e resultou também na morte de todos os ocupantes.

A ordem irá prevalecer durante nove horas.

Outro aviso será emitido após consulta com a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos e a Boeing sobre as medidas de segurança tomadas.

Oito cidadãos chineses viajavam a bordo do avião que caiu no domingo, logo após a descolagem.

O avião partiu da capital etíope, Adis Abeba, e tinha destino à capital do Quénia, Nairobi.

O aparelho caiu numa zona chamada Hejeri, perto da cidade de Bishoftu, a cerca de 42 quilómetros a sudeste da capital da Etiópia e onde fica sediada a maior base da Força Aérea etíope.

As causas do acidente ainda não são conhecidas.

Ler mais
Recomendadas

10 mandamentos gastronómicos da Quinta do Lago

Um verdadeiro portfólio gastronómico. Esta é a promessa de tudo aquilo que poderá encontrar na Quinta do Lago. Em cada uma das opções, uma experiência surpreendente. É que, aqui, a Natureza e o luxo andam de mãos dadas.

Toyota traz para Portugal um bestseller mundial

Foi comercializado em Portugal, no passado. É-nos familiar dos filmes e séries norte-americanos, onde se impõe pelo seu reconhecido requinte. Chega agora ao mercado português para se assumir como a proposta de topo da Toyota. Os argumentos são muitos…

ABANCA integra Ana Barros como administradora

A instituição reuniu o seu conselho de administração pela primeira vez em Lisboa. Licenciada no Porto, Ana Barros trabalhou em banca de investimento em Madrid, Nova Iorque e Londres, entre várias outras funções.
Comentários