China Tianying interessada na Generali

Grupo chinês que comprou a Groupama Seguros está agora a olhar para a Generali. Allianz, Apollo, Caravela e Liberty também estão na corrida.

O processo de venda da Generali em Portugal tem sofrido alterações ao nível das condições e requisitos exigidos aos candidatos. Recentemente surgiu mais um candidato, o grupo chinês de tratamento de resíduos que comprou a Groupama Seguros de Vida e a Groupama Seguros.

A subsidiária portuguesa da China Tianying (Benefits and Increases) – que concluiu a compra da totalidade da companhia francesa em Portugal, depois de ter chegado, no fim do ano, a luz verde da Autoridade da Concorrência (AdC) avançou com uma proposta para a compra da Generali em Portugal.

A companhia italiana está à venda desde o ano passado e na lista de interessados está também a Apollo, que é dona da Tranquilidade e da Açoreana (Seguradoras Unidas), a Caravela, a Liberty e a Allianz. Os alemães chegaram a ser dados como favoritos, mas as atenções da companhia italiana viram-se agora para os chineses.

O facto de o CaixaBank ter clarificado que mantém a aliança comercial com a Allianz no BPI (onde a seguradora é acionista com 8,4%) ajudou a que os alemães deixassem de ter tanto empenho nas aquisições em Portugal.

O Grupo Generali contratou o Barclays Bank como assessor financeiro na venda da unidade em Portugal.

A companhia de seguros liderada por José Araújo Alves (chairman) e por Santi Cianci (CEO) faz parte da lista de desinvestimentos da italiana Generali. Fontes familiarizadas com o assunto revelam que se não conseguirem uma proposta satisfatória, os italianos integram a Generali Portugal na Generali Espanha.

O Grupo Generali Portugal está em Portugal desde 1942, mas só em 2015 se dá a mudança de registo de sucursal da Assicurazioni Generali para uma sociedade anónima, passando a operar em Portugal como empresa de direito nacional. No ramo de segurador, em Portugal, conta com uma quota de mercado de 3,45%.

Esta é mais uma operação de venda a chineses, depois de a seguradora Lusitânia ter sido vendida à Clean Energy Finance Corporation (CEFC) China, um grupo do sector da energia. A operação, cujo valor não foi revelado, vem no seguimento de uma parceria assinada entre os chineses e a Associação Mutualista, dona do Montepio, num acordo que envolve várias participações em empresas financeiras.

A transação está ainda sujeita à aprovação dos acionistas e do regulador português. O Montepio Seguros inclui a Lusitânia Seguros, Lusitânia Vida e N Seguros.

As companhias de seguros em Portugal estão a ser compradas por estrangeiros e nesta altura só as companhias do Grupo Caixa de Crédito Agrícola e a Real Vida Seguros (com sede no Porto) são portuguesas.

O grupo chinês Fosun, que tem 25,16% do BCP, comprou a Fidelidade por 1,1 mil milhões, e pouco depois a seguradora investiu na Fosun Internacional um valor que é quase equivalente ao preço que a Fosun pagou (mil milhões), entre outros investimentos em ativos imobiliários do grupo chinês. A seguradora comprou depois a Luz Saúde. No ano seguinte, a Fosun teve de reforçar o capital da Fidelidade em 500 milhões.

Para além da Fidelidade, a Tranquilidade e a Açoreana foram compradas pelo fundo norte-americano Apollo.

À venda está também a GNB Vida (do Novo Banco), que é o primeiro ativo do banco que está debaixo do mecanismo de capitalização contingente do Fundo de Resolução a ser vendido.

Na corrida à GNB Vida (ex-BES Vida) está a Apollo (dona da Tranquilidade), um grupo espanhol e ainda um grupo holandês, o Nationale-Nederlanden.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão

Ler mais
Recomendadas

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

Cabral dos Santos revela carta onde Berardo pede à CGD crédito de 350 milhões para comprar ações do BCP

“A carta de Joe Berardo a Carlos Santos Ferreira de 10 de novembro de 2016 evidencia que foi a Fundação Berardo tomou a iniciativa de consultar a Caixa” [para o empréstimo de 350 milhões de euros]. A operação ou era feita com rácio de cobertura por garantias de 105% ou não se fazia. Essa era condição do cliente. A operação fez-se apesar de o parecer do risco ter inicialmente exigido uma cobertura de 120%.
Comentários