China vai emprestar mais 11 mil milhões de dólares a Angola

Angola vai fechar uma linha de crédito de 11.000 milhões de dólares (10.028 milhões de euros) para projetos de infraestruturas através do Banco Industrial e Comercial da China (ICBC). Entre os vários projectos está um empréstimo superior a mil milhões de euros para pagar até 85% do valor do contrato para a conceção, construção e acabamento do novo aeroporto internacional da capital de Angola.

A China vai abrir uma nova linha de crédito no montante de 11 mil milhões  de dólares (9,4 mil milhões de euros) a favor de Angola, ao abrigo de um acordo a ser assinado no decurso da visita oficial à China do Presidente João Lourenço, no início de setembro,  informou o África Monitor.

O boletim de informação adiantou que parte substancial da nova linha de crédito, garantida por petróleo, destina-se a financiar 78 projectos de desenvolvimento, a maior parte dos quais no sector das infra-estruturas.

O Presidente de Angola, que deverá visitar a China a 12 de outubro próximo, esteve recentemente em Pequim para participar na terceira cimeira do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC).

De acordo com o África Monitor,  a hipótese, inicialmente admitida, de se aproveitar essa oportunidade para a assinatura do novo acordo de cooperação, foi posta de lado por se ter considerado que seria mais próprio fazê-lo no contexto de uma visita oficial.

Para finalizar a negociação do acordo, uma missão chefiada pelo ministro das Finanças, Archer Mangueira, integrando o ministro dos Transportes Ricardo de Abreu, chegará a Pequim alguns dias antes da visita do Presidente João Lourenço.

À margem da realização do FOCAC, o ministro Archer Mangueira anunciou que a dívida de Angola à China ascende a 23 mil milhões de dólares (cerca de 20 mil milhões de euros).

 

Os projetos angolanos a financiar

No início de setembro, Angola esteve representada ao mais alto nível no Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), em Pequim, tendo Luanda em vista o culminar das negociações para uma nova linha de crédito chinês de 11.000 milhões de dólares, para financiar vários projetos.

A comitiva foi liderada pelo Presidente de Angola, João Lourenço, que teve,  a 2 de setembro, um encontro bilateral com o homólogo chinês, Xi Jinping, tal como anunciou, em comunicado, o ministro das Relações Exteriores angolano, Manuel Augusto. Na mesa das conversações com as autoridades chinesas esteve um novo programa de financiamento, incidindo sobre os projetos e montantes que a China poderia conceder.

Entre os vários projetos esteve a negociação dos termos para um empréstimo de 1.282 milhões de dólares (1.098 milhões de euros), montante destinado a pagar até 85% do valor do contrato para a conceção, construção e acabamento do novo aeroporto internacional da capital de Angola, que está a ser construído a 30 quilómetros de Luanda por várias empresas chinesas.

Através do banco estatal chinês, que apoia a importação e exportação do país (Exim Bank), Angola negociou também empréstimos de 690 milhões de dólares (600 milhões de euros) para a construção da marginal da Corimba (Luanda).

As negociações passaram  também por empréstimos de 760,4 milhões de dólares (651,7 milhões de euros) para o sistema de transporte de energia elétrica do Luachimo, e de 1.100 milhões de dólares (942,8 milhões de euros) para a construção de uma academia naval em Kalunga, Porto Amboim (Cuanza-Sul).

Segundo a China-Lusophone Brief, a recente emissão de “eurobonds”, no valor de 3.000 milhões de dólares (2.571 milhões de euros) pelo Estado angolano, confirmou que a China é a fonte principal de “diversas facilidades de novos créditos” que as autoridades já estão a negociar.

Ler mais

Recomendadas

“Já se demitiram?”. Ana Gomes reage aos ‘Luanda Leaks’ e pede afastamento de Carlos Costa

Ex-eurodeputada já reagiu à revelação dos ‘Luanda Leaks’ e pergunta se Carlos Costa e Fernando Teixeira dos Santos já se demitiram.

Site da APAF pirateado numa manifestação de apoio a Rui Pinto

O site da APAF, que entretanto já voltou à normalidade, surgia com uma configuração completamente diferente da habitual, já que era apresentada com uma foto de destaque de Rui Pinto.

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.
Comentários