China vai emprestar mais 11 mil milhões de dólares a Angola

Angola vai fechar uma linha de crédito de 11.000 milhões de dólares (10.028 milhões de euros) para projetos de infraestruturas através do Banco Industrial e Comercial da China (ICBC). Entre os vários projectos está um empréstimo superior a mil milhões de euros para pagar até 85% do valor do contrato para a conceção, construção e acabamento do novo aeroporto internacional da capital de Angola.

A China vai abrir uma nova linha de crédito no montante de 11 mil milhões  de dólares (9,4 mil milhões de euros) a favor de Angola, ao abrigo de um acordo a ser assinado no decurso da visita oficial à China do Presidente João Lourenço, no início de setembro,  informou o África Monitor.

O boletim de informação adiantou que parte substancial da nova linha de crédito, garantida por petróleo, destina-se a financiar 78 projectos de desenvolvimento, a maior parte dos quais no sector das infra-estruturas.

O Presidente de Angola, que deverá visitar a China a 12 de outubro próximo, esteve recentemente em Pequim para participar na terceira cimeira do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC).

De acordo com o África Monitor,  a hipótese, inicialmente admitida, de se aproveitar essa oportunidade para a assinatura do novo acordo de cooperação, foi posta de lado por se ter considerado que seria mais próprio fazê-lo no contexto de uma visita oficial.

Para finalizar a negociação do acordo, uma missão chefiada pelo ministro das Finanças, Archer Mangueira, integrando o ministro dos Transportes Ricardo de Abreu, chegará a Pequim alguns dias antes da visita do Presidente João Lourenço.

À margem da realização do FOCAC, o ministro Archer Mangueira anunciou que a dívida de Angola à China ascende a 23 mil milhões de dólares (cerca de 20 mil milhões de euros).

 

Os projetos angolanos a financiar

No início de setembro, Angola esteve representada ao mais alto nível no Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), em Pequim, tendo Luanda em vista o culminar das negociações para uma nova linha de crédito chinês de 11.000 milhões de dólares, para financiar vários projetos.

A comitiva foi liderada pelo Presidente de Angola, João Lourenço, que teve,  a 2 de setembro, um encontro bilateral com o homólogo chinês, Xi Jinping, tal como anunciou, em comunicado, o ministro das Relações Exteriores angolano, Manuel Augusto. Na mesa das conversações com as autoridades chinesas esteve um novo programa de financiamento, incidindo sobre os projetos e montantes que a China poderia conceder.

Entre os vários projetos esteve a negociação dos termos para um empréstimo de 1.282 milhões de dólares (1.098 milhões de euros), montante destinado a pagar até 85% do valor do contrato para a conceção, construção e acabamento do novo aeroporto internacional da capital de Angola, que está a ser construído a 30 quilómetros de Luanda por várias empresas chinesas.

Através do banco estatal chinês, que apoia a importação e exportação do país (Exim Bank), Angola negociou também empréstimos de 690 milhões de dólares (600 milhões de euros) para a construção da marginal da Corimba (Luanda).

As negociações passaram  também por empréstimos de 760,4 milhões de dólares (651,7 milhões de euros) para o sistema de transporte de energia elétrica do Luachimo, e de 1.100 milhões de dólares (942,8 milhões de euros) para a construção de uma academia naval em Kalunga, Porto Amboim (Cuanza-Sul).

Segundo a China-Lusophone Brief, a recente emissão de “eurobonds”, no valor de 3.000 milhões de dólares (2.571 milhões de euros) pelo Estado angolano, confirmou que a China é a fonte principal de “diversas facilidades de novos créditos” que as autoridades já estão a negociar.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19 deve levar PSI 20 a fechar hoje o pior trimestre desde 2002

Até ao final de 30 de março, o principal índice bolsista português registou a segunda maior queda trimestral neste século, pressionado pelo impacto económico da propagação do novo coronavírus. Nem na crise financeira de 2008 a bolsa nacional caiu tanto.

Portugal a meio da tabela no ranking de segurança alimentar na Europa, segundo estudo

Portugal é o 13º países, entre 26, com melhor avaliação no “Global Food Security Index 2019”, publicado pela The Economist Intelligence Unit. Relativamente à qualidade e segurança dos alimentos, Portugal sobe ao ‘top 5’, com 88 pontos, apenas atrás da Finlândia, Noruega, Suécia e Holanda.

“Cotadas que não paguem dividendos devem suprimir bónus dos administradores executivos”, diz Sequeira Braga

A medida deve aplicar-se também às empresas que venham a pedir ajuda estatal, refere ao JE o presidente da Assembleia Geral do clube dos pequenos acionistas. Diz que as bolsas estão fortemente influenciadas por “fatores psicológicos” e as empresas cotadas vão sofrer desvalorizações, portanto não devem distribuir dividendos se para isso necessitem de se endividar.
Comentários