Chinesa Geely vira maior acionista do grupo sueco Volvo

O maior fabricante independente da China acaba de dar um salto estratégico na indústria automóvel ao garantir o controlo da AB Volvo, segundo fabricante mundial de camiões.

O fabricante asiático, que já detinha a Volvo Cars, chegou a acordo com o fundo sueco Cevian Capital para a compra de 8,2% do capital e 15,6% dos direitos de voto da AB Volvo.

O montante da operação não foi divulgado, mas o mercado, situa-o na casa dos 3.250 milhões de euros.

O fundo de investimento sueco Industrivärden, que detém uma posição de 6,7% no grupo, mantém-se como maior acionista em termos de direito a voto (21,8%).

A AB Volvo fabrica os camiões da marcas Volvo Trucks, Mack, Renault Trucks, além de autocarros, veículos militares (Renault Trucks Defense), maquinaria vária e motores marítimos (Penta).

Relacionadas

O Volvo mais rápido de sempre

O Volvo S60 T6 Polestar tem a velocidade limitada eletronicamente aos 250 km/h. Costumamos vê-lo nas corridas do WTCC na versão desportiva, mas também é possível adquiri-lo.

Volvo Ocean Race: Vestas ‘inaugura’ chegada das embarcações a Lisboa

A chegada ao estuário do Tejo aconteceu três dias antes do previsto, uma vez que a abertura oficial do recinto está agendada apenas para terça-feira.
Recomendadas

Concluído um de cinco interrogatórios por viciação de contratos no Turismo do Norte

Os cinco arguidos foram detidos na quinta-feira pela Polícia Judiciária (PJ), no âmbito da denominada operação “Éter”, que incluiu ainda buscas em entidades públicas e sedes de empresas.

Fidelidade regista maior número de participação de sempre após tempestade Leslie

A seguradora criou uma unidade operacional móvel com o objetivo de “quantificar e avaliar os prejuízos sofridos com a maior rapidez e proximidade possível junto da população afetada, agilizando melhor os processos de indemnização”.

Augusto Santos Silva: “Haverá condições para o Presidente da República visitar a China em breve”

O Ministro anunciou cinco projetos ao nível da cooperação Portugal – Macau e a criação de um Fundo de apoio a projetos comunitários de ciência e tecnologia.
Comentários