O que compram os turistas chineses em Portugal?

O número de turistas chineses a visitar Portugal tem aumentado, registando-se no início deste ano um acréscimo de 44% face ao mesmo período do ano passado.

Os turistas chineses procuram em Portugal produtos de luxo ou de grande qualidade, apresentando um valor médio por compra de 600 euros, manifestando um grande interesse pela cultura e história do nosso pais, segundo dados da Redunicre.

O número de turistas chineses a visitar Portugal tem aumentado, registando-se no início deste ano um acréscimo de 44% face ao mesmo período do ano passado.

Estas razões constituíram um forte incentivo para que a Redunicre trabalhasse na rede de aceitação dos cartões da UnionPay International.

Os viajantes já podem atualmente utilizar os seus cartões da UnionPay nos terminais de pagamento automático da Redunicre, tendo a empresa concretizado a instalação da aceitação dos cartões da UnionPay International em 40.500 terminais em apenas seis meses, com um acréscimo de 20% para breve.

Para os turistas chineses que visitam Portugal, a aceitação dos cartões da UnionPay aumenta a comodidade das suas viagens, a redução das preocupações inerentes ao uso de dinheiro e a facilita o acesso a bens e serviços, em sectores tão fundamentais como a hotelaria, restauração e vendas a retalho.

Também os comerciantes nacionais passam a oferecer um novo serviço, potenciando o aumento das suas vendas, em quantidade e em valor.

A estimativa das compras com cartões da Unionpay International nos comerciantes nacionais aponta para um crescimento a dois dígitos em 2017 (acima dos 10 milhões).

A UnionPay é o método de pagamento mais utilizado pelos turistas chineses, sendo o maior emissor do mundo com 5,8 mil milhões de cartões.

 

Ler mais

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.
Comentários