Cinco dicas sobre como poupar no regresso às aulas

Entre os cuidados a ter, o Doutor Finanças destaca o cumprimento do orçamento previamente estabelecido.

Doutor Finanças

O regresso às aulas acontece já na próxima semana, o que significa que muitos pais ainda estão na correria de comprar o material escolar para os seus filhos. De forma a conseguir poupar, o Doutor Finanças avança algumas dicas de como os encarregados de educação podem conter a despesa familiar ainda antes do início do ano letivo 2021/2022.

Para este regresso às aulas, que arranca presencialmente, o Doutor Finanças aconselha os pais a prepararem as carteiras e crianças, e não se deixarem levar pelo stress que as compras possam implicar.

“Este pode ser um mês um pouco mais stressante, uma vez que tipicamente marca o final das férias e o regresso às aulas, trazendo consigo alguma ansiedade, especialmente se não tivermos preparado este momento ao longo do ano. Existem uma série de dicas que podem ajudar a manter a calma neste regresso, especialmente no que à carteira diz respeito”, afirma Rui Bairrada, CEO do Doutor Finanças.

Entre os cuidados a ter, o Doutor Finanças destaca o cumprimento do orçamento previamente estabelecido. “Para evitar créditos, a primeira coisa que devemos fazer é estabelecer um orçamento para todos os custos que vamos ter neste regresso às aulas: desde material escolar, a manuais, a despesas ao longo do ano letivo, entre outros”, destaca o consultório financeiro.

Assim, e com o orçamento definido, todas as necessidades são atendidas e a lista de material necessária é adquirida. “É importante cumprir este limite, mesmo que surjam contratempos ou os filhos pressionem para comprar algo desnecessário. Todos devem estar mentalizados do limite, para que não o ultrapassem e não sejam necessárias medidas extras, como créditos, para um regresso às aulas desafogado”.

A segunda dica é reutilizar materiais antigos e aproveitar as promoções que possam surgir. Ao construir a lista, o material do ano anterior deve ser verificado de forma a verificar se algo pode ser reutilizado. “Podemos, também, optar por procurar promoções nesta altura. Algumas lojas, supermercados e papelarias fazem promoções ao material escolar por volta deste período, pelo que, se estivermos atentos e fizermos uma pesquisa online prévia, podemos descobrir algum local onde os materiais que os nossos filhos querem e necessitem estejam mais baratos. Se vários materiais estiverem em promoção, podem representar uma poupança significativa no total”, nota.

O terceiro, e possivelmente um dos mais importantes, conselhos é pedir fatura com contribuinte. “Outra forma por onde podemos ficar a ganhar com os gastos do material escolar, é pedir sempre fatura com contribuinte em todas as compras que fazemos. Não só conseguimos deduzir despesas do sector educação, mas também ter benefícios fiscais como a devolução de 15% do IVA em cada fatura na qual colocamos contribuinte”.

A compra de materiais em segunda mão será também um ato de poupança, uma vez que existem determinados materiais que são mais dispendiosos e que se podem encontrar em segunda mão, tal como uma calculadora ou uma mochila. Existem ainda sites de venda onde estes materiais podem ser adquiridos a preços mais em conta e em bom estado.

Atualmente, os manuais gratuitos conseguem representar uma poupança significativa no orçamento dos encarregados de educação. A plataforma MEGA disponibiliza manuais gratuitos às crianças que frequentem a escola pública ou privada desde que com contrato de associação, de forma a ter acesso aos vouchers.

Recomendadas

Venda de smartphones sem carregador é correta à luz da lei?

Se o profissional não inclui um adaptador de corrente com o smartphone e que não informa, de forma cuidadosa, o consumidor – trata-se de uma omissão enganosa e, como tal, conduz ou é suscetível de conduzir o consumidor a tomar uma decisão de compra que não teria tomado de outro modo.

OE2022: Inquilinos defendem mais cinco anos para período de transição de rendas antigas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) defende o prolongamento por mais cinco anos do período transitório para contratos de arrendamento anteriores a 1990, sendo esta uma das medidas que quer ver incluída no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).

Lisboa. Avenida Fontes Pereira de Melo fecha ao trânsito temporariamente

Segundo a autarquia, a avenida estará encerrada para que se proceda à realização de trabalhos no coletor e reposição da infraestrutura, que estima durarem toda a semana.
Comentários