Cinco escolas fechadas em Almada devido à greve por reforço de trabalhadores

O Agrupamento de Escolas da Costa de Caparica, em Almada, que conta com cinco estabelecimentos de ensino, encerrou esta terça-feira de manhã devido à greve dos trabalhadores não docentes, que reivindicam o reforço de funcionários, informou fonte sindical.

“Queremos que chegue ao conhecimento do senhor ministro da Educação e ao Governo de que este problema é grave e que se arrasta há vários anos e não é resolvido. As pessoas não são máquinas, são pessoas e têm limites”, afirmou à Lusa Paula Bravo, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul (STFPSS).

Segundo a responsável, a paralisação dos funcionários, entre as 07:00 e as 10:00, motivou o encerramento da Escola Secundária do Monte de Caparica, da Escola Básica 2,3 Costa de Caparica e das escolas primárias José Cardoso Pires, Costa de Caparica e Vila Nova de Caparica, em Almada, no distrito de Setúbal.

Além disso, a partir das 08:00, realizaram também uma “forte concentração” em frente à escola básica Costa de Caparica, onde estiveram cerca de 50 funcionários, que contaram com o apoio de “alunos, professores e pais”, adiantou a dirigente.

“Esta falta de trabalhadores afeta toda a comunidade e não só os professores. Os trabalhadores são o elo mais fraco. Sente-se na sua saúde física e psicológica a sobrecarga de trabalho que têm em cima e depois afeta tudo, como a questão da segurança dos jovens e crianças”, explicou.

Já na segunda-feira, em declarações à Lusa, Paula Bravo tinha referido que os funcionários estavam a chegar a um ponto de rotura.

“São 2.041 alunos para muito poucos funcionários. Isto atingiu um ponto de rotura. Os trabalhadores que têm vindo a entrar são poucos e não são suficientes para colmatar as saídas dos últimos anos”, contou, na ocasião.

De acordo com Paula Bravo, devido à falta de pessoal não docente têm estado a ser encerrados serviços das escolas, como bibliotecas, centros de recursos, reprografias, papelarias e até ginásios.

“A partir das 16:00 não há Educação Física, porque não há funcionários para assegurar o ginásio. Por exemplo, só na escola da Caparica faltam nove funcionários: três saíram para a reforma, três estão de baixa e outros três passaram para o serviço administrativo”, explicou.

Se nada mudar depois da paralisação e protesto de hoje, a dirigente sindical promete continuar e alargar a luta.

“Nós vamos ter que continuar se o problema não for resolvido, não sei se a nível de uma luta geral, porque isto passa-se em diversas escolas do país”, advertiu.

Ler mais
Recomendadas

Não haverá “eliminação administrativa” de chumbos, diz ministro da Educação

Tiago Brandão Rodrigues considera que “as retenções nunca levam esses alunos a bom porto. Muito provavelmente levam ao abandono escolar ou uma nova repetição de ano”.

Ministério da Educação promete substituição mais rápida de funcionários nas escolas

As escolas vão poder substituir funcionários de forma mais célere, podendo contratar ao fim de 12 dias de ausência do trabalho, anunciou esta terça-feira o Ministério da Educação.

Há 400 docentes no Ensino Superior a dar aulas sem receber salário

Depois de ter sido apresentada uma queixa pelo Sindicato Nacional do Ensino Superior que denunciava “alegadas ilegalidades” nos contratos de vencimento, divulgaram-se dados que informam que no ano passado 400 professores leccionaram nas universidades e politécnicos sem receber salário.
Comentários